Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Tela Plana Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Kelly Miyashiro
Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming
Continua após publicidade

Sexo no ar: as profissionais que monitoram cenas picantes nas séries

Na era do #MeToo, produções recorrem a um novo tipo de especialista para evitar constrangimentos nos sets: as coordenadoras de intimidade

Por Amanda Capuano
Atualizado em 30 abr 2022, 13h26 - Publicado em 29 abr 2022, 06h00

É impossível pensar em Bridgerton sem que venham à mente cenas apimentadas. Série de língua inglesa mais vista da Netflix, a trama romântica de época teve como trunfo em sua primeira temporada a relação quente entre Daphne e o Duque de Hastings, que fizeram amor em todos os cantos. A segunda fase voltou mais comportada, mas o novo par vivido pelos atores Simone Ashley e Jonathan Bailey entregou uma sequência proibida para menores em meio aos jardins ingleses. O balé luxurioso foi coreografado pela americana Lizzy Talbot, que assume na série uma função cada vez mais presente nos sets de filmagem: a de coordenadora de intimidade. Com nome sugestivo e popularidade em alta nas produções do streaming, esses profissionais — em sua maioria mulheres — são responsáveis por planejar e fiscalizar cenas picantes, garantindo que não haja constrangimentos.

Box Os Bridgertons

Lá fora, a tendência começou em 2017, depois que os abusos de Harvey Weinstein deflagraram o #MeToo em Hollywood e alertaram sobre a necessidade de um cuidado extra nos sets. Na ebulição dos protestos feministas, a atriz Emily Meade solicitou à HBO uma espécie de “protetora” para as cenas sexuais de The Deuce, série sobre a indústria pornográfica nos anos 1970 e 1980. “Fiz minha primeira cena de sexo aos 16. Foram muitas as vezes em que me senti desconfortável, tenha percebido isso na hora ou mais tarde”, declarou na ocasião. A experiência foi tão positiva que a HBO implantou a política de utilizar essas guardiãs do sexo de maneira recorrente. Não demorou até que outras plataformas, como Hulu, Netflix, Amazon Prime, Paramount+, Apple TV+ e Starz, seguissem a trilha, incorporando as profissionais em muitas produções. Neste ano, até a veterana (e abusada) Outlander, no ar desde 2014, passou a ter uma coordenadora de intimidade.

ANJO - Maria Silvia (à dir.) no set de A Princesa da Yakuza: cuidados -
ANJO - Maria Silvia (à dir.) no set de A Princesa da Yakuza: cuidados – (Liam Daniel/Netflix)

No geral, a rotina das guardiãs se assemelha à de um preparador de elenco, mas com olhar mais apurado para questões que possam causar algum desconforto. Tudo começa com um mapeamento do roteiro, para identificar cenas que mereçam cuidado especial, dos beijos calorosos e banhos com nudez aos lances de alcova em si. O segundo passo é falar com o diretor para entender o que ele espera de cada cena, e partir para uma conversa com os atores, ouvindo receios e sugestões. Com todos de acordo, os ensaios começam. É nessa fase que se definem os movimentos que serão executados diante das câmeras. A coordenadora acompanha toda a gravação e limita quem pode estar presente no set. O trabalho exige tato para conciliar a vontade da direção com o conforto do elenco e o resultado final — que precisa parecer natural (e convincente) para o público.

Continua após a publicidade

#Metoo and You: Everything You Need to Know about Consent, Boundaries, and More

Exemplo nacional da tendência, a série Lov3, da Amazon Prime Video, narra as descobertas sexuais de um grupo de jovens. A trama teve 22 cenas consideradas íntimas, todas coordenadas por Maria Silvia Siqueira Campos. “Não tem mais aquela coisa de abrir a câmera e deixar rolar. É tudo ensaiado”, explicou ela a VEJA. No currículo, a profissional tem ainda produções para o cinema e outras da Amazon, como Dom, e da Netflix, incluindo o recém-lançado hit A Princesa da Yakuza, em que há interação de atores de diferentes culturas. “A legislação ficou mais eficaz, e as empresas querem evitar constrangimentos que antigamente eram comuns”, diz.

CONTRA O ABUSO - A pioneira 'The Deuce' (acima), da HBO, e a nacional 'Lov3' (abaixo), da Amazon: lances sensuais agora são fiscalizados bem de perto -
CONTRA O ABUSO - A pioneira ‘The Deuce’ (acima), da HBO, e a nacional ‘Lov3’ (abaixo), da Amazon: lances sensuais agora são fiscalizados bem de perto – (HBO; AMAZON PRIME VIDEO/.)

Preparadora de elenco há mais de vinte anos, Maria Silvia passou por uma sabatina com profissionais nos Estados Unidos e vai encarar um curso de oitenta horas com mais três preparadoras da Amazon para auxiliar na formação de profissionais no Brasil. Essa nova cultura pode ajudar a evitar casos como o de Maria Schneider, que saiu traumatizada da famigerada “cena da manteiga” do filme O Último Tango em Paris (1972) — em que o diretor Bernardo Bertolucci não a alertou, deliberadamente, sobre o que sofreria nas mãos de Marlon Brando, sob a alegação de que queria captar sua reação “como menina, não como atriz”. Agora, felizmente, o sexo é muito mais seguro nas telas.

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA de 4 de maio de 2022, edição nº 2787

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

Box Os Bridgertons
Box Os Bridgertons
#Metoo and You: Everything You Need to Know about Consent, Boundaries, and More
#Metoo and You: Everything You Need to Know about Consent, Boundaries, and More

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.