Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Tela Plana

Por Kelly Miyashiro Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming
Continua após publicidade

As armas de ‘Terra e Paixão’ na busca da audiência perdida por ‘Travessia’

Novela de Walcyr Carrasco estreia com a expectativa de recuperar prestígio do horário nobre da Globo após vexame da antecessora

Por Amanda Capuano Atualizado em 8 Maio 2023, 16h25 - Publicado em 8 Maio 2023, 13h58

Nesta segunda-feira, 8, a nova novela das 9 estreia na Globo cheia de expectativas. Escrita por Walcyr Carrasco, 71 anos, Terra e Paixão substitui Travessia no horário nobre da emissora e tem a função de redimir a faixa depois do fracasso da novela de Glória Perez. Ambientada no Mato Grosso do Sul, na fictícia Nova Primavera, a trama vira suas lentes para o Brasil rural, com grandes fazendeiros e disputas violentas por terra — ambiente que já consolidou sucessos da dramaturgia, como Pantanal e Rei do Gado. Confira a seguir o que esperar da produção:

Novela clássica

.
Antônio (Tony Ramos), Irene (Gloria Pires), Petra (Debora Ozório), Daniel (Johnny Massaro) e Caio (Cauã Reymond) formam o núcleo rico da família (João Miguel Júnior/TV Globo)

Na história, Aline (Barbara Reis) é uma professora de matemática que perde o marido Samuel (Ítalo Martins) em um atentado do poderoso fazendeiro Antônio La Selva (Tony Ramos). Sozinha com o filho João (Matheus Assis) e as terras deixadas pelo marido, ela recebe a ajuda Caio (Cauã Reymond), filho do homem que destruiu sua família. Corajosa, a jovem decide assumir o trabalho agrícola do local, enfrentando La Selva, que almeja suas terras e usa os próprios filhos para tentar conquistar seu desejo. Autor de grandes sucessos da televisão, Walcyr Carrasco define Terra e Paixão como uma novela clássica. “A história apresenta um grande drama amoroso e uma luta por herança, dentro de um ambiente agrícola, rural, uma parte do país ainda desconhecida por muitos, de uma maneira que não estamos acostumados a ver em novelas”, disse.

Núcleo indígena

.
Iraê (Suyane Moreira), Raoni (Mapu Huni Kui) e Jurecê (Daniel Munduruku), núcleo dos povos originários. No centro, à esquerda, Caio (Cauã Reymond) (Manoella Mello/TV Globo)

Ao longo da história, a narrativa de Aline e de outros personagens irá se cruzar com a dos povos originários, dando destaque para a cultura indígena. O núcleo vivido por Iraê Guató (Suyane Moreira), Raoni Guató (Mapu Huni Kui) e Jurecê Guató (Daniel Munduruku) apresenta a cultura e história dos Guatós, povo fictício criado para representar os povos originários reais que vivem na região. Através dos personagens, a história deve apresentar os costumes tradicionais e crenças indígenas, além de mostrar a luta por identidade e terra em um ambiente dominado pelas grandes fazendas agrícolas.

Protagonista negra

.
Aline (Barbara Reis), protagonista de Terra e Paixão (Paulo Belote/TV Globo)

Escalada como protagonista no horário nobre, Bárbara Reis tem a chance de, enfim, consolidar uma protagonista negra na faixa nobre da globo — isso, é claro, se ganhar o destaque merecido. Nos últimos anos, a emissora sofreu críticas por ofuscar as tramas de protagonistas negras com histórias de personagens secundários brancos — em travessia, por exemplo, Brisa (Lucy Alves) foi escanteada para dar mais espaço ao drama da patricinha Chiara, vivida pela estreante Jade Picon. Antes disso, em 2009, Taís Araújo viveu a primeira protagonista preta do horário nobre com a Helena de Viver a Vida, mas ganhou a antipatia do público e teve o protagonismo ofuscado pela história da modelo Luciana (Alinne Moraes), que ficou tetraplégica em um acidente.

Continua após a publicidade

Retomada da audiência

.
O autor Walcyr Carrasco e o diretor artístico Luiz Henrique Rios. Dupla tem a expectativa de alavancar a audiência do horário nobre da Globo (João Miguel Júnior/TV Globo)

Não é segredo que Travessia sofreu para conquistar bons índices de audiência, colocando a Globo em uma posição difícil no horário nobre. Autor de sucessos como Amor à Vida (2013), A Dona do Pedaço (2019) e Alma Gêmea (2005), Walcyr tem nas mãos a expectativa de recuperar bons índices para a faixa. Além da assinatura do autor, a trama ainda tem a seu favor o fato de retomar a temática do Brasil Rural, que consolidou Pantanal como o maior fenômeno televisivo dos últimos anos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.