Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Roberto Pompeu de Toledo

Por Roberto Pompeu de Toledo
Continua após publicidade

100 milhões!

É bom que, sob a pressão das circunstâncias, o governo tenha dado números e peso ao Brasil dos desassistidos

Por Roberto Pompeu de Toledo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 13 abr 2020, 14h28 - Publicado em 10 abr 2020, 06h00

Desigualdade virou palavrão desde a chegada ao Palácio do Planalto do atual ocupante. Jair Bolsonaro não deve tê-lo pronunciado nenhuma vez na vida e, ao escutá-lo, deve achar repugnante como “golden shower”, de cujo significado se inteirou num passado Carnaval. Entre a prole o sentimento é igual, ou maior. Fale-se em desigualdade ao Carluxo e ele considerará o interlocutor mais comunista do que o João Doria. Eduardo postará nas redes que desigualdade é o outro nome do “vírus chinês”. E Flávio, o primogênito? Atribui-se a Goebbels, ultimamente tão popular no Brasil, a frase: “Fale-se em cultura, e eu puxo meu revólver”. Flávio diria: “Fale-se em desigualdade, e eu chamo o Queiroz e o Adriano”. No entanto, veio a pandemia do coronavírus e…

O mercado financeiro gosta da imagem cunhada por Warren Buffett para as horas de imprevisibilidade. “Quando a maré baixa, fica-se sabendo quem está nadando nu”, disse o megainvestidor. Pois veio a pandemia da Covid-19 e o Brasil exibiu-se peladinho, com suas hordas de catadores de lixo, acrobatas de cruzamento, flanelinhas, moradores de rua, vendedores de pano de chão, vendedores de bala, camelôs, boias-frias, mendigos. Sem falar nas diaristas, entregadores de pizza, motoristas de Uber, nas manicures, pescadores, ajudantes de pedreiro, garis. E sem se esquecer das domésticas sem registro, dos garçons sem salário, dos beneficiários do Bolsa Família, dos manobristas (ou manobreiros, conforme a região do país), das professoras do sertão que ganham meio salário mínimo, dos tocadores de biroscas nas favelas. Não bastasse o pesadelo da pandemia, nasceu para o Brasil um pesadelo dentro do pesadelo: e quando, e se, o vírus espalhar-se pelas comunidades pobres, imensas, superpovoadas, apertadas e mal servidas de serviços públicos?

“É bom que o governo tenha dado números e peso ao Brasil dos desassistidos”

É uma trapaça do destino que, por cortesia do coronavírus, esse Brasil, com a força de um monstro que se desenterra da caverna, onde sobrevivia invisível, tenha batido de cara bem com esse governo. Entre a coleção de infâmias saídas da boca presidencial na presente crise, em continuação às infâmias ditas antes, uma das mais cruéis foi: “O brasileiro tem de ser estudado, não pega nada, o cara fica pulando no rio ali junto com o esgoto e o cara não pega nada”. Travestida de elogio ao brasileiro, a fala se traduz num antológico elogio da falta de saneamento básico. No entanto, com toda a sua alienada insensibilidade, o governo Bolsonaro, empurrado pelo Congresso, teve de reconhecer que será preciso prestar um auxílio emergencial a um contingente de brasileiros que, segundo projeções, poderia chegar a 100 milhões. 100 milhões!

É uma segunda trapaça do destino, uma piada em tempos de tragédia, que esse encargo hercúleo tenha caído no colo de uma equipe econômica guiada pela elegante ideologia do Estado mínimo. E é uma terceira prova de como o destino pode ser brincalhão que o Brasil dos 100 milhões, ao ser dimensionado e catalogado, receba o reconhecimento oficial justamente de um governo ao qual repugna falar em desigualdade. Entra verão e sai verão, o Brasil dos pobres e miseráveis aparece nos noticiários da TV. É constituído daqueles que, nas enchentes, têm suas moradias arrasadas. “Perdi tudo” é a frase que mais se ouve, dita entre restos de sofá e imprestáveis geladeiras. Boa parte dos brasileiros que não integram os 100 milhões acompanha a cena anestesiada.

Continua após a publicidade

É bom que, sob a pressão das circunstâncias, o governo tenha dado números e peso ao Brasil dos desassistidos, esse Brasil que tem ares de pedaço piorado da Índia, porque sem saber inglês e sem as expectativas do desenvolvimento acelerado, ou de extensão um pouco melhor da África, porque sem (por enquanto) o ebola e a aids epidêmica. Melhor será se o auxílio deixar de ser emergencial e, passada a epidemia, tornar-se um colchão permanente de renda mínima (não é que o Suplicy tinha razão?). E ainda melhor se for acompanhado de maior carga de impostos sobre os ricos e seriedade na gestão dessa maior das alavancas de promoção social que é a educação, hoje entregue a um bobo insano. O cientista político Fernando Schüler defendeu a “renda básica universal” num recente artigo na Folha de S. Paulo. Atenção, Jair, Flávio, Carluxo e Eduardo: Schüler não é comunista. É um liberal, crítico da esquerda. Schüler escreveu que a eliminação da miséria é “o desafio ético do nosso tempo”, e concluiu: “É esta a nossa fronteira civilizatória, assim como foi, no século XIX, o fim da escravidão”.

Os textos dos colunistas não refletem, necessariamente, a opinião de VEJA

Publicado em VEJA de 15 de abril de 2020, edição nº 2682

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.