Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Ricardo Rangel

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Continua após publicidade

Quanto vale a democracia?

Resta à sociedade se defender do autoritarismo e do arbítrio

Por Ricardo Rangel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 13h38 - Publicado em 11 jun 2021, 06h00

A decisão sobre punir o general delinquente Eduardo Pazuello foi equiparada a A Escolha de Sofia, livro/filme em que uma jovem mãe é obrigada a escolher qual dos dois filhos vai para a câmara de gás. Nesse paralelo, o comandante do Exército, Paulo Sérgio de Oliveira, teria tido de escolher entre duas opções muito ruins: ou deixava Pazuello impune ou seria desautorizado por Bolsonaro, o que seria ainda pior.

Esse paralelo é falso.

É improvável que Bolsonaro revogasse uma punição a Pazuello, não apenas porque isso lhe causaria enorme desgaste, mas porque se o comandante Paulo Sérgio resistisse à ordem, isso poderia até levar à queda do presidente (como ocorreu com Carlos Luz em 1955). Mais grave: a capitulação não resolveu o problema do general.

O paralelo adequado é com Neville Chamberlain, o primeiro-ministro britânico que, na esperança de saciar o apetite de Hitler e preservar a paz, aceitou as repetidas provocações do ditador da Alemanha. “Diante da escolha entre a guerra e a desonra”, disse Winston Churchill a Chamberlain, “vocês escolheram a desonra — e terão a guerra.”

O apetite de Hitler era insaciável e veio a guerra. E, quando veio, o ditador estava poderoso demais e devorou a Europa quase inteira. “O apaziguador é alguém que alimenta o crocodilo na esperança de ser o último a ser devorado”, criticou Churchill.

Continua após a publicidade

“O que fará o comandante do Exército quando Bolsonaro encher o palanque de majores e capitães?”

Ao preferir a desonra ao confronto, Paulo Sérgio, como Chamberlain, não se livrará do problema: o apetite de Bolsonaro é insaciável e ele não vai parar até fazer das Forças Armadas a sua milícia particular. O que fará o comandante do Exército quando Bolsonaro encher o palanque de majores e capitães? Após devorar o Exército, Bolsonaro ainda esculachou: deu a Paulo Sérgio a Ordem do Mérito da Defesa (!). A vergonha é tanta que o comandante estabeleceu sigilo de 100 anos sobre o processo que deixou impune o general fanfarrão. Paulo Sérgio é uma Sofia que mandou os dois filhos para a morte e depois se suicidou.

Não se sabe se Paulo Sérgio agiu só por covardia ou porque o Alto-Comando, apavorado com Lula, aderiu de vez a Bolsonaro. Seria assombroso se os generais apoiassem a emasculação do Exército e a transformação do Brasil na Venezuela, mas nossos militares ainda acreditam na ameaça comunista, de modo que tudo é possível.

O que se sabe é que não se pode contar com as Forças Armadas para quando Bolsonaro amotinar as PMs. E, por improvável que seja o sucesso de um golpe de Bolsonaro, a baderna provocará mortes, depredação, deterioração do tecido social, corrosão da democracia.

Continua após a publicidade

Resta à própria sociedade se defender do autoritarismo e do arbítrio. Em 29 de maio, nós, os brasileiros, enfrentamos uma escolha de Sofia de verdade: assistir calados enquanto Bolsonaro dissemina o vírus, ou ir para as ruas e correr o risco de disseminarmos nós mesmos a doença. Nas próximas manifestações, a decisão será entre o risco de disseminar a doença e a defesa da nossa democracia.

A democracia atual é a melhor que já tivemos. Quanto estamos dispostos a arriscar para defendê-la?

Publicado em VEJA de 16 de junho de 2021, edição nº 2742

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.