Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Ricardo Rangel

Continua após publicidade

Até quando?

Mandetta venceu a batalha, mas a guerra não terminou

Por Ricardo Rangel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 15 abr 2020, 10h36 - Publicado em 10 abr 2020, 06h00

“Até quando, Catilina, abusarás de nossa paciência?”

Lúcio Sérgio Catilina, militar e político da Roma antiga, conspirava para derrubar a República; quem o interpelava, em pleno Senado, era Marco Túlio Cícero, cônsul romano e o maior orador da Antiguidade. A pergunta de Cícero era retórica, mas encerrava outra pergunta, mais premente, dirigida a seus pares: “Até quando permitiremos que Catilina atente contra a República?”.

Na manhã de segunda-feira, Jair Bolsonaro saiu do Alvorada com uma caneta cheia de tinta, decidido a demitir Luiz Henrique Mandetta, culpado de fazer sucesso demais. Voltou à noite com a caneta intocada, inerte e impotente — Mandetta não apenas continuava no cargo, mas também dava uma entrevista vitoriosa e recheada de farpas contra o chefe. Entre a manhã e a noite, o presidente foi rechaçado pelo Congresso, pelo STF, por seus próprios ministros.

Alcolumbre, Toffoli e os ministros militares podem ter evitado o pior, mas a solução foi lamentável.

Primeiro, porque temporária: Mandetta venceu a batalha, mas a guerra não terminou — e não terminará enquanto ele não cair. O estilo do capitão é conhecido. Ele frita sua vítima até derrubá-la. A derrota apenas açulou o rancor do presidente, que vai acabar substituindo Mandetta por alguém que lhe lamba as botas.

Continua após a publicidade

Segundo, porque restrita: Mandetta é apenas um dos campos em que o capitão arremete contra a saúde pública. Afora a querela com o ministro, Bolsonaro ataca medidas sanitárias, recomenda medicamentos de toxicidade alta e eficácia incerta, estimula seus acólitos a criar fake news nas redes e a provocar crises com a China (de quem dependemos para o combate ao vírus).

“O ataque à saúde pública é a mais notável e ruinosa das frentes em que o presidente investe contra a República”

Por fim, tutelar o presidente é irregular e temerário. Substituir ministro é prerrogativa exclusiva do chefe do Executivo, não compete aos outros poderes, nem aos ministros, se imiscuir — espera-se dos representantes da República que se mantenham dentro da Constituição.

O ataque — de viés eleitoreiro — à saúde pública é apenas a mais notável e ruinosa das frentes em que o presidente investe contra a República. Interferiu, por motivos espúrios, no Coaf, na Receita, na Polícia Federal. Não fez do filho embaixador porque não quis. Nomeou auxiliares com o propósito de descumprir disposições constitucionais. Intimidou cidadãos e patrocinou campanhas de difamação. Convocou seus fãs para manifestações contra o Legislativo e o STF. Em que pese o bate-boca, o Congresso vem sendo tolerante com tais atrocidades.

Continua após a publicidade

Cícero encerrou a catilinária com outra frase famosa: “Ó tempos, ó costumes”, lamentando sua época, em que se permitia que alguém atentasse contra o Estado impunemente. Um filósofo mais recente, Karl Popper, advertiu que “se estendermos a tolerância ilimitada aos intolerantes, então, os tolerantes serão destruídos e a tolerância com eles”.

Bolsonaro é um antidemocrata e um intolerante modelo. O que Cícero e Popper nos perguntam é até quando aceitaremos que ele abuse de nossa paciência.

Publicado em VEJA de 15 de abril de 2020, edição nº 2682

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.