Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Ricardo Rangel

Continua após publicidade

A liberdade de expressão e a LSN

Um resquício legal da ditadura é evocado para calar os críticos

Por Ricardo Rangel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 17 jul 2020, 13h46 - Publicado em 17 jul 2020, 06h00

O ministro Gilmar Mendes acusou o Exército de se associar a um “genocídio” que estaria sendo promovido pelo governo Bolsonaro. O Ministério da Defesa e as Forças Armadas emitiram dura nota repudiando a declaração. Até aí, jogo jogado. Mas foram além e mandaram representação, baseada na Lei de Segurança Nacional, para a Procuradoria-­Geral da República (durou pouco a tal “normalização” do governo).

Pode-se discutir se é apropriado ministro do Supremo dar declaração, especialmente polêmica, sobre o governo ou as Forças Armadas (não é). Pode-se discutir se é prudente o ministro dar essa declaração semanas depois de quase termos tido um impasse institucional (não é). Pode-se discutir se é correto chamar a política de saúde de “genocídio” (no sentido lato, é). Mas é indiscutível que o ministro, como qualquer cidadão, tem o direito de dizer o que pensa.

Gilmar não comete crime ao afirmar que considera a política de saúde “genocida”, nem muito menos ao dizer que o Exército está associado a ela: com um general da ativa à testa do ministério e quase trinta militares no staff, isso é o óbvio do óbvio. Ao representarem junto com o governo, os comandantes das Forças Armadas enfatizam a associação apontada por Gilmar, participam de uma tentativa de intimidação baseada em uma lei autoritária que não deveria existir, e ainda mantêm no noticiário um assunto que desgasta a imagem dos militares. Melhor fariam caso se concentrassem em corrigir o brutal erro que cometeram ao se deixar associar ao governo.

“Pode-se discutir se é correto chamar a política de saúde de “genocídio”. Mas é indiscutível que o ministro tem direito de dizer o que pensa”

No mesmo dia em que soltou a nota contra Gilmar, o governo demitiu a coordenadora de Observação da Terra, do Inpe, que recentemente divulgou que o Brasil quebrou o recorde mensal de desmatamento — que, aliás, cresce há catorze meses consecutivos. No ano passado, o diretor Ricardo Galvão foi exonerado por divulgar más notícias sobre o meio ambiente.

Continua após a publicidade

Na semana passada, Bolsonaro mandou o ministro da Justiça, dublê de Censor-­Geral da República (CGR), André Mendonça, pedir abertura de inquérito, com base na LSN, contra o jornalista Hélio Schwartsman, que afirmou desejar a morte do presidente. O Código Penal não criminaliza desejo, e, ao supor que alguém desejar sua morte é matéria de segurança nacional, o presidente mostra que se considera uma espécie de faraó.

Há um mês, o faraó não gostou de um desenho que o associava ao nazismo e mandou o CGR pedir abertura de inquérito, com base na LSN, contra o chargista Aroeira e o jornalista Ricardo Noblat. No ano passado, o então CGR, Sergio Moro, pediu à PGR que investigasse, com base na LSN, o jornalista Glenn Greenwald, por causa das revelações da Vaza-Jato, e um porteiro cujo testemunho incomodou o presidente.

O presidente que defende a tese de que as fake news — ou seja, a prática de disseminar calúnias em massa anonimamente — não sejam combatidas, porque são mero exercício da liberdade de expressão, é o mesmo que demite ou processa, com base no mais brutal resquício legal da ditadura, qualquer um que exerça a liberdade de expressão para dizer algo de que ele não goste.

Publicado em VEJA de 22 de julho de 2020, edição nº 2696

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.