Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Ricardo Rangel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Continua após publicidade

A construção de fake news: o relatório ‘do TCU’

O caso do relatório fraudulento é ideal para entender as fake news no governo Bolsonaro

Por Ricardo Rangel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 9 jun 2021, 18h58 - Publicado em 9 jun 2021, 18h11

Fake news não é mentira. Ou, ao menos, não se restringe a mentira, as melhores fake news são verdades, meias verdades, e mentiras vagas, usadas para transmitir uma tese 100% falsa.

Veja-se o caso do “relatório” “do TCU”.

Um auditor do TCU, bolsonarista e próximo à família, produz um “relatório” dizendo que metade dos mortos registrados como vítimas de Covid morreu de outras causas. Ocorre que a causa mortis desses óbitos foi SRAG, AVC pneumonia, etc. provocadas por… Covid. Ou seja, a frase não é 100% falsa, mas transmite uma tese 100% falsa. Fake news de boa qualidade.

O presidente da República, então, declara que o TCU preparou um relatório dizendo que “em torno de 50% dos óbitos de 2020 por Covid não foram por Covid”. O “relatório” não foi preparado “pelo TCU”, mas o auditor bolsonarista pertence aos quadros do TCU, de modo que é fácil confundir. Fake news sobre fake news: melhor impossível.

Desmascarado, Bolsonaro pede desculpas, mas o faz de maneira confusa, admitindo o “erro” bobo de confundir “tabela” com “acórdão”, e evolui para denunciar a imprensa por atacá-lo por um bobagem e conclui afirmando que “tudo indica” que os óbitos estão sendo mesmo super-notificados. Mistura uma verdade irrelevante e uma calúnia vaga para alcançar a mentira completa: fake-news sobre fake news  sobre fake news. É a perfeição.

Continua após a publicidade

Os distraídos exultam com a “admissão de culpa” do presidente, mas a mensagem que os bolsonaristas recebem é que Bolsonaro cometeu um equívoco irrelevante sobre alguma tecnicalidade qualquer, que a doença não é mesmo tão grave, e que os números estão, sim, sendo inflados por uma conspiração da “esquerda”, do “sistema” e da imprensa para prejudicar o Mito.

Se o Brasil fosse um país sério, o auditor seria expulso do TCU e processado criminalmente por fraude com o intuito de cometer crime contra a saúde pública, e Bolsonaro seria obrigado a pedir desculpas em regra sob pena de sofrer um processo de impeachment.

Mas o Brasil é o Brasil, é improvável que o auditor sofra mais do que uma suspensão sem prejuízo do salário. E nada acontecerá com o presidente.

E, por isso mesmo, coisas assim continuarão a acontecer diariamente.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.