Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

Uma questão espinhosa e polêmica. Mas desde quando isso nos assusta, não é?

Não foram muito felizes ontem a presidente Dilma Rousseff e o presidente da Conib (Confederação Israelita do Brasil), Claudio Lottenberg, em suas respectivas falas em evento promovido em Porto Alegre, no Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto. Lottenberg comparou o sofrimento dos judeus durante a Segunda Guerra à tortura a que a petista, […]

Por Reinaldo Azevedo
Atualizado em 31 jul 2020, 13h01 - Publicado em 28 jan 2011, 11h01

Não foram muito felizes ontem a presidente Dilma Rousseff e o presidente da Conib (Confederação Israelita do Brasil), Claudio Lottenberg, em suas respectivas falas em evento promovido em Porto Alegre, no Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto.

Lottenberg comparou o sofrimento dos judeus durante a Segunda Guerra à tortura a que a petista, então militante de um grupo terrorista, foi submetida durante o regime militar: “A senhora, presidente Dilma Rousseff, sabe melhor que todos o que significa ser torturada, […] o que este tipo de agressão pode significar para alguém, por mais que sobreviva.” Dilma foi na mesma linha: “Lembrar Auschwitz-Birkenau é lembrar todas as vítimas de todas as guerras injustas, todas as ditaduras que tentaram calar seres humanos”. Fazendo certamente alusão a um outro debate existente no Brasil, afirmou ainda: “A memória é uma arma humana para impedir a repetição da barbárie”.

Vênia máxima aos dois, trata-se de uma associação descabida porque nada deve ser comparado ao incomparável. É bom que o Holocausto seja sempre evitado como régua do horror. A tortura, no Brasil e em qualquer parte, é asquerosa. Com justeza, a nossa Constituição tornou esse crime inafiançável e imprescritível, e temos uma lei para puni-lo. Infelizmente, presos comuns são ainda cotidianamente submetidos a tratamento cruel nas cadeias do país.

Não deveria ser eu a lembrar a Lottenberg e a Dilma que esse é um caminho perigoso, mas lembro mesmo assim. Quando nega o Holocausto judeu ou relativiza a sua importância, Ahmadinejad, por exemplo, costuma apontar o sofrimento de vários outros povos da Terra ao longo da história, como a dizer: “Ainda que o Holocausto tenha acontecido, os judeus não foram ou não são os únicos a sofrer.

Não dá! Quem caminha por aí acaba rebaixando a fealdade do Holocausto em vez de elevar a fealdade dos outros crimes.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.