Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

RONALDO PODE SE PREPARAR PARA A GRITARIA

Eis o jogador Ronaldo, na sabatina da Folha, falando sobre seu filho. Comento em seguida: “Ele [Ronald] é uma criança doce, que não fala palavrão, é educado. É praticamente um europeu”, disse o jogador, que logo em seguida ouviu alguém na platéia gritar: “É brasileiro”.“Sim, ele é brasileiro, tem passaporte brasileiro”, disse Ronaldo, que também […]

Por Reinaldo Azevedo
Atualizado em 31 jul 2020, 17h38 - Publicado em 15 Maio 2009, 22h59
Eis o jogador Ronaldo, na sabatina da Folha, falando sobre seu filho. Comento em seguida:

“Ele [Ronald] é uma criança doce, que não fala palavrão, é educado. É praticamente um europeu”, disse o jogador, que logo em seguida ouviu alguém na platéia gritar: “É brasileiro”.
“Sim, ele é brasileiro, tem passaporte brasileiro”, disse Ronaldo, que também é pai de Maria Sophia, filha de Bia Antony.
“Mas eu prefiro que ele tenha amiguinhos europeus do que amiguinhos brasileiros. Os brasileiros são muito malandros”, afirmou.
Diante da afirmação, o colunista da Folha Clóvis Rossi, mediador da sabatina, perguntou se a declaração não poderia ser considerada racista.
“Não, acho que é a realidade. A gente não queria que fosse assim. Esta diferença é uma realidade, e, se posso escolher, prefiro que meu filho tenha uma educação europeia”, disse.
Ronaldo também afirmou que o filho joga nas categorias de base do Real Madrid e que tem como companheiros de time outros filhos de atletas ilustres.
“Ele joga com o filho do Zidane, o filho do Raúl, o filho do Cannavaro, mais os filhos de outros grandes jogadores de que não me lembro o nome. Imagine o treinador para tirar alguém desse time”, brincou.

Comento
Ronaldo não poderia ser considerado “racista” porque “brasileiro” não é raça. Um tanto preconceituosa, sem dúvida, a declaração foi pelo caráter generalista: brasileiros seriam mais malandros, europeus, menos. É bem possível que as porcentagens de brasileiros e europeus honestos e malandros sejam as mesmas. Mas que se reconheça: em boa parte dos países europeus, a safadeza é menos premiada do que por aqui, não é mesmo? Tal constatação nada tem de preconceito. É um pós-conceito mesmo. É um fato.

É claro que vão encarnar em Ronaldo. Lembro que ele já apanhou bastante quando se referiu a manifestações preconceituosas de torcedores europeus contra jogadores negros. Ele condenou os torcedores e se solidarizou com os negros, não se incluindo entre eles. As Falanges do Politicamente Correto logo se levantaram: “Ronaldo não se reconhece como negro”. Ora, não se reconhece porque não é. Ronaldo é mestiço, como é visível.

Reconheço, serenamente, o que há de verdadeiro e de falso na sua declaração sobre a malandragem e saúdo a sua nonchalance com essa patrulha estúpida do politicamente correto, para a qual dá de ombros. Já morreu e renasceu tantas vezes, que literalmente não dá bola para o que dizem dele. Esteve com Lula há dias, numa dessas patetadas de políticos brasileiros com o futebol, mas não se deixou contaminar pelo patriotismo bocó.

Ronaldo, é provável, nem sabe o que acontece exatamente na Petrobras e por que alguns querem fazer CPI, e outros, não. Considerando o que disse sobre a malandragem, intuo que não considerasse a comissão antipatriótica se estivesse informado a respeito. Talvez até dissesse: “Na Europa, seria diferente…”

Que o jogador se prepare. As Falanges já estão assanhadinhas

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.