Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Presidente do PT é um dos nababos do Bolsa Ditadura; alegou prejuízo de sua carreira jornalística, embora tenha sido chefe de revista

Rui Falcão, o atual presidente do PT, é mais um dos que tentaram implementar uma ditadura comunista no Brasil pelas armas. Como falhou, foi bater à porta do estado pedir uma indenização. Os comunas da luta armada são assim: se eles tivessem conseguido realizar o seu intento, teriam amontoado alguns milhares de cadáveres, a exemplo […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 12h03 - Publicado em 8 Maio 2011, 07h49

Rui Falcão, o atual presidente do PT, é mais um dos que tentaram implementar uma ditadura comunista no Brasil pelas armas. Como falhou, foi bater à porta do estado pedir uma indenização. Os comunas da luta armada são assim: se eles tivessem conseguido realizar o seu intento, teriam amontoado alguns milhares de cadáveres, a exemplo do que seus “companheiros” fizeram em outros países. Como deu tudo errado, então transformam a sua aventura numa guerra cartorial e bateram a carteira dos brasileiros trabalhadores.

O presidente do PT recebeu uma grana preta por ter sido um “perseguido político”: R$ 1,24 milhão. Militante da luta armada, acabou preso em 1970. Em 1975, estava de volta ao jornalismo, trabalhando no grupo Estado. Em 1977, passou a dirigir a revista Exame, da Abril, onde ficou até 1988! Mesmo assim, levou aquela grana toda porque afirmou que a ditadura prejudicou a sua carreira jornalística! Leiam trechos da reportagem de Bernardo Mello Franco, na Folha:
*
O novo presidente do PT, Rui Falcão, recebeu do governo federal uma indenização de R$ 1,24 milhão, em valores atualizados, por ter sido perseguido durante a ditadura militar (1964-1985). Ele participou da luta armada e obteve o benefício após declarar à Comissão de Anistia que ficou impedido de trabalhar como jornalista por perseguição política. A quantia foi fixada em setembro de 2003, no início do governo Lula. O cálculo, retroativo, considerou que o petista teria direito a remuneração mensal equivalente à de um editor de jornal entre os anos de 1991 e 2002. Neste período, ele também recebeu salários da União, do Estado e da Prefeitura de São Paulo ao exercer funções de deputado estadual, deputado federal e secretário municipal de governo.

Falcão foi procurado anteontem, mas não atendeu aos pedidos de entrevista.

O petista foi anistiado em dezembro de 2002, no fim do governo Fernando Henrique Cardoso. Sua indenização correspondia a R$ 748 mil, em valores corrigidos. Depois da eleição de Lula, ele pediu a revisão do benefício, alegando erro de cálculo e pedindo pagamento retroativo por mais cinco anos. Seu recurso foi aceito, e a indenização subiu para o equivalente a R$ 1,24 milhão. O Ministério do Planejamento não informou quando o valor foi pago, alegando que o dado seria sigiloso.

A quantia foi considerada alta por membros da comissão ouvidos pela reportagem. O órgão mudou suas regras em 2009 para suspender novas indenizações milionárias. Hoje, reparações a jornalistas não costumam ultrapassar R$ 3.000 mensais.
(…)
Falcão foi preso em abril de 1970 num apartamento em Porto Alegre onde, segundo os documentos secretos, rodava panfletos com “propaganda subversiva”. Passou dois anos e oito meses no presídio da Ilha das Pedras Brancas, no rio Guaíba. Mais tarde, relatou ter sido submetido a maus tratos.
(…)
O petista retomou a carreira jornalística ainda na ditadura, com passagens por grandes veículos. Foi contratado pelo Grupo Estado em 1975 e comandou a revista “Exame” entre 1977 e 1988. No pedido de indenização, afirmou ter sofrido “inúmeros percalços” na profissão por motivações políticas.
Aqui

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês