Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

O futuro da Editora Três, que publica a “IstoÉ”

Tudo estava caminhando bem para que o empresário João Carlos Camargo, conhecido como “Camarguinho”, em associação com a família Saad, que tem o controle do grupo Bandeirantes, ficasse com 50% das ações da Editora Três, que pertence a Domingo Alzugaray e edita a revista IstoÉ. Mas parece que Camarguinho desistiu. Era apenas uma das propostas. […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 6 jun 2024, 07h54 - Publicado em 28 fev 2007, 04h10
Tudo estava caminhando bem para que o empresário João Carlos Camargo, conhecido como “Camarguinho”, em associação com a família Saad, que tem o controle do grupo Bandeirantes, ficasse com 50% das ações da Editora Três, que pertence a Domingo Alzugaray e edita a revista IstoÉ. Mas parece que Camarguinho desistiu. Era apenas uma das propostas. Há outras, de que falo abaixo. Segundo informações que circulam no mercado, a editora deve ao governo cerca de R$ 500 milhões — impostos atrasados —, outros R$ 40 milhões a bancos e tem, ao menos, R$ 24 milhões de dívidas trabalhistas. De onde sairia toda essa dinheirama?
Nesse ponto, entraria uma personagem que foi apresentada aos leitores de Veja na edição desta semana: André Esteves (foto), um jovem — 38 anos — e talentosíssimo bilionário, diretor-presidente na América Latina do banco suíço UBS. É um homem ousado e articulado. Segundo informa a Veja, “Esteves (…) ergueu sua vida profissional dentro do Banco Pactual, no qual ingressou como estagiário, em 1989 (…). Em 1999, liderou o traumático levante societário que forçou a saída do fundador do Pactual, Luiz Cezar Fernandes”. Que não gostou do choque: “Sempre tive consciência de que Esteves venderia a mãe para ter o poder“. Escreve ainda a revista: “Esteves desenvolveu habilidades políticas. Desde que o PT chegou ao Planalto, passou a mover-se com desenvoltura nos círculos do poder. Numa economia espremida pelo Estado, percebeu que o contato com figuras-chave da República lhe abriria portas. Em 2003, aproximou-se do então ministro da Fazenda, Antonio Palocci, e de seu chefe-de-gabinete, Juscelino Dourado.” E não descuidou do refinamento pessoal: “Como todo rico de trajetória meteórica, começou a colecionar obras de arte (há quem afirme que Lichtenstein é um dos seus preferidos) e a apreciar bons vinhos” (assinante lê integrado perfil aqui).
Nessa opção, Camarguinho ficaria com 25% das ações, os Saad com outros 25% — o que custaria a cada um R$ 45 milhões —, e Alzugaray permaneceria formalmente no comando, embora a idéia fosse fazer de Camarguinho o publisher de fato. Mas, até onde apurou este blog, ele desistiu. Para quem não lembra, foi secretário particular da ex-ministra da Fazenda Zélia Cardoso de Mello. Parece mesmo estar fora do negócio. Os outros, não se sabe.

Daniel Dantas
O empresário Daniel Dantas, dono do Opportunity, também quer comprar 51% das ações da Editora Três. No comando, ele gostaria de ter Marcos Elias, que controla a gestora de recursos Latin America Equity Partners (Laep Brasil), especialista em comprar e reestruturar empresas em dificuldades, a exemplo do que fez com a Parmalat, no ano passado. A IstoÉ Dinheiro já publicou um perfil do empresário, dono de um “largo sorriso” (clique aqui para ler).

Tanure
Outro que demonstra disposição de ficar com parte da Editora Três é Nelson Tanure, que hoje controla o Jornal do Brasil, a Gazeta Mercantil e a antiga Rede CNT, que ele arrendou. O empresário quer a Três em seu grupo de mídia por pelo menos três anos, ao término dos quais teria preferência de compra do restante das ações. Quem aproximou Tanure e Alzugary, que ficaria, nessa primeira fase, como presidente do conselho da editora, foi o hoje consultor de empresas privadas José Dirceu.
Ah, sim: há gente poderosa no governo que já disse ao ainda dono da Editora Três que vender a empresa a Daniel Dantas é uma péssima idéia, coisa com a qual Dirceu não deve concordar de jeito nenhum.

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.