Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

O ERRO DE CRISTINA

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, meteu os beiços pelas mãos — ela tem aquela formidável boca de peixe que, suponho, algumas mulheres devem achar sensual… Que perverso pode se excitar com aquilo??? — e resolveu demitir o presidente do Banco Central, Martín Redrado. Ocorre que a lei do país não lhe faculta tal licença […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 16h07 - Publicado em 12 jan 2010, 04h49

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, meteu os beiços pelas mãos — ela tem aquela formidável boca de peixe que, suponho, algumas mulheres devem achar sensual… Que perverso pode se excitar com aquilo??? — e resolveu demitir o presidente do Banco Central, Martín Redrado. Ocorre que a lei do país não lhe faculta tal licença sem a concordância do Congresso. Como já é sabido, ela determinou que US$ 6,5 bilhões das reservas fossem usados para saldar dívidas públicas. O BC é independente, e Redrado disse “não”. Contra a lei, ela o demitiu. A juíza María José Sarmiento determinou a restituição do homem ao cargo. O governo apelou, mas Sarmiento já avisou que não há prazo para decidir.

E a crise se instalou. Cristina está em guerra com a oposição, com a imprensa e com o vice-presidente do país, Julio Corbos. Pobre Argentina! Parece condenada a não se redimir da pequenez de seus líderes políticos. Nestor Kirchner, antecessor de Cristina e seu marido, poderia ter saído da presidência quase como um herói. Afinal, chegou ao poder num momento de institucionalidade zero do país. E a economia, dentro do possível, acabou se recuperando.

Ocorre que os Kirchners são filhos da mais antiga praga argentina, o peronismo. De Juan Domingo Perón, propriamente, sobrou pouco como conteúdo político, administrativo ou programático. Restou a cultura da política personalista do líder que se considera acima das instituições.

Nestor Kirchner, a despeito de certo ar amalucado, parecia empenhado em reconstruir o arcabouço legal. Quando começou a articular a sucessão para cair no colo da própria mulher, estava claro que só era mais um representante daquela maldição. No poder, Cristina resolveu eleger a imprensa como sua principal inimiga. E, agora, bate-se contra as próprias leis do país e, na prática, contra uma prerrogativa do Congresso. É o caminho certo para o desastre.

Lula só se deu bem, no Brasil, porque soube, na economia, preservar a herança bendita que recebeu de seu antecessor. A fuça da crise só se mostrou, no terreno da política, nos momentos em que ele próprio e seus aloprados resolveram atropelar as instituições. Dona Cristina se elegeu segundo as leis e depois começou a achar que são elas que atrapalham o seu governo. Isso nunca dá certo, e o povo sempre paga a conta.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês