Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo

Por Blog
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

Duas Caras

Não tenho visto a novela Duas Caras, de Aguinaldo Silva. Falta de tempo. Se der, verei hoje. Segundo relatos dos leitores e a sinopse, estudantes de esquerda, apoiados por professores idem, invadiram uma universidade privada porque querem interferir na escolha do reitor. A dona do estabelecimento chamou a polícia. Segundo me contam, o discurso dos […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 20h13 - Publicado em 9 nov 2007, 16h59

Não tenho visto a novela Duas Caras, de Aguinaldo Silva. Falta de tempo. Se der, verei hoje. Segundo relatos dos leitores e a sinopse, estudantes de esquerda, apoiados por professores idem, invadiram uma universidade privada porque querem interferir na escolha do reitor. A dona do estabelecimento chamou a polícia. Segundo me contam, o discurso dos invasores é marcado pela hipocrisia e pela ligeireza. A ser verdade, é a primeira vez que um produto de massa, entretenimento, não faz a apologia da militância esquerdista. Assisti, até hoje, a uns quatro ou cinco capítulos. Vi que há um professor barbudo e meio sujinho chamado Inácio Guevara, líder dos radicais.

Se for assim como dizem, Aguinaldo Silva inova ao não ceder à patrulha politicamente correta. Do pouco que vi, elogio uma coisa em particular: o autor não submete a linguagem ao filtro do bom comportamento e das boas intenções. Não há didatismo bocó para formar o “bom cidadão”. Ninguém diz: “Racismo é uma coisa muito feia, viu, brasileiro!?” Ele é exibido. Se feio, se bonito, o telespectador julga. O racista não é inteiramente mau. O “discriminado” não é inteiramente bom.

Sempre que uma obra de arte ou um produto de massa, que é só entretenimento, se subordinam a algum outro interesse que não as exigências internas da própria obra, o que se está produzindo é mistificação. Mesmo as inocentes campanhas cívicas a que se dedicam algumas novelas — o chamado merchandising social — são absolutamente irritantes. E, creio, inócuas.

PS: Talvez pudesse assistir a mais capítulos. O problema é aquela música detestável de Gonzaguinha. A cada vez que ele diz “E nós estamos pelaí”, os meus piores instintos se sublevam. Se a novela for como dizem, o tema populista não faz justiça à trama.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.