Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

BARACK OBAMA: O ALFA E O ÔMEGA, O PRINCÍPIO E O FIM

E vi um novo céu e uma nova terra. Porque já se foram o primeiro céu e a primeira terra, e o mar já não existe. E vi a santa cidade, a nova Jerusalém, que descia do céu da parte de Deus, pronta como uma esposa preparada para o seu marido. E ouvi uma grande […]

Por Reinaldo Azevedo
Atualizado em 31 jul 2020, 18h39 - Publicado em 5 nov 2008, 05h57
E vi um novo céu e uma nova terra. Porque já se foram o primeiro céu e a primeira terra, e o mar já não existe. E vi a santa cidade, a nova Jerusalém, que descia do céu da parte de Deus, pronta como uma esposa preparada para o seu marido. E ouvi uma grande voz, vinda do trono, que dizia: “Eis que o tabernáculo de Deus está com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e Deus mesmo estará com eles. Ele enxugará de seus olhos toda lágrima; e não haverá mais morte, nem haverá mais pranto, nem lamento, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas.” E o que estava assentado sobre o trono disse: “Eis que faço novas todas as coisas.” E acrescentou: “Escreve; porque estas palavras são fiéis e verdadeiras.” . Disse-me ainda: “Está realizado: eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim. A quem tiver sede, de graça lhe darei a beber da fonte da água da vida. Aquele que vencer herdará estas coisas; e eu serei seu Deus, e ele será meu filho”.

Acima, muita gente já percebeu, vai um trecho do Apocalipse de São João (21,1-21,7). Já se passaram todas as tormentas e todos os tormentos, e a Nova Jerusalém surge da tragédia e da morte.

Poderia ser assim. Mas não será. A quarta-feira, que já vem rondando por aí, rasgará o céu, e tudo estará no mesmo lugar de antes. A exemplo do que escrevi aqui, de certo modo, é o pior que pode acontecer para o jovem mito Barack Obama: entrar na vida. Sua presidência, anotem as minhas profecias, hehe, será marcada pela decepcionante humanização de um deus. “Decepcionante para quem?”, perguntarão alguns. E eu lhes direi: não para mim, para os republicanos e para todos os que torciam para John McCain. Também não vai decepcionar os democratas profissionais. Já chego ao ponto.

Sarah Palin é carola, martelou o jornalismo. Ela é mesmo uma criacionista estúpida, a exemplo dos eleitores daquele meião avermelhado dos Estados Unidos, uma gente bronca, tendente a levar a Bíblia ao pé da letra… Bem, vocês conhecem a abordagem. Curiosamente, no entanto, foram os partidários de Obama, sobretudo a imprensa, que emprestaram à disputa os tons de uma guerra religiosa. De um lado, levantaram-se os bons; de outro, os maus. O governo Bush foi descrito e entendido justamente como as terríveis antevisões de João. Ficaram com McCain, para continuar no Apocalipse, “os medrosos, aos incrédulos, os abomináveis, os homicidas, os adúlteros, os feiticeiros, os idólatras e todos os mentirosos”. A eles estará reservado “o lago ardente de fogo e enxofre, que é a segunda morte.”

Mas do que é feita esta Nova Cidade?

Obama vai tirar as tropas do Iraque? Quando der. Vai aumentar a presença americana no Afeganistão? Quando for possível. Tem a resposta para a crise econômica mundial? Todos sabem que não — nem ele nem ninguém. Vai conseguir conter o programa nuclear iraniano? Tem uma resposta para crise do Oriente Médio? Obviamente, não. Seus planos de combate ao terrorismo prevêem uma revolução metódica? Negativo. Sua trajetória, como político ou administrador, acenam com uma abordagem realmente inédita dos problemas que hoje assolam a América e o mundo? Qual trajetória? Obama é dono de um discurso, isto sim, que a muitos, na era Bush, parece iluminista. Especialmente porque, mestiço que é — “afro-americano” para o padrão do racialismo… negro dos EUA —, preferiu ignorar o assunto, colocando-se com um candidato, vamos dizer, “pós-racialista”. A questão foi habilmente trabalhada por seus partidários. Votarei a este ponto mais tarde. Antes, falarei um pouco da “humanização” de Obama e das decepções.

DECEPÇÃO
Eu não me alinho entre aqueles — e já escrevi isso aqui há dois dias — que acreditam que Obama é o verdadeiro conservador dos Estados Unidos, recuperando o discurso que já foi um dia dos republicanos ilustrados, que teria sido degradado pela era Bush. John McCain, ele, sim, um republicano reformista (ao menos antes de a campanha esquentar), poderia representar claramente esse papel. Mas também não vejo, reitero, no presidente eleito, um esquerdista antiamericano ou um inimigo do seu país.

É que são tais e tantas as esperanças de “mudança” depositadas em Obama, que ele, evidentemente, não poderá satisfazê-las. Uma parte imensa do seu eleitorado e a larga maioria dos seus admiradores mundo afora contam com ele para que os Estados Unidos deixem de ser os Estados Unidos. Isso não acontecerá. Se viesse a acontecer, e Obama passasse a atentar contra os interesses do país (é o que muitos esperam), o homem sucumbiria. De um jeito ou de outro.

Continua após a publicidade

Indica a lógica do processo, depois do “We can” de toda aquela gente que realmente crê estar vislumbrando a Nova Jerusalém, que Obama terá de mostrar a um grupo muito mais restrito — o establishment — o seu “I can”. Aquele “we” resume esperanças difusas de “progressismo”, de um país que renunciaria a boa parte do que o faz ser a América. E com o “i” ele vai ter de provar que, além de ser um deles, é o melhor de todos eles — e por isso é o presidente. Já na campanha, aproximou-se Colin Powell, um republicano ilustre, e teve o apoio de Paul Wolker, uma espécie de emblema dos homens que são, vamos dizer, o esteio da América.

Amigos que admiram Obama não gostam, por razões que já explicitei aqui, quando faço uma associação entre o presidente eleito dos EUA e Lula. Sim, são em tudo diferentes — a começar da formação intelectual e da modernidade do discurso. Refiro-me, já deixei claro, ao fenômeno eleitoral, de massa e de opinião pública. É inegável que um lá e outro cá representam um feixe de esperanças de mudança que têm muitos quês de adesão irracional — o que, deixo claro, em nenhum momento, põe em questão a democracia. Quero dizer com isso que o “candidato Obama”, a exemplo do candidato Lula em 2002, fez-se figura invencível, fosse qual fosse o adversário. A resistência de McCain não deixa de ser heróica — e, como se vê, nos votos totais, bem mais forte do que indicavam as pesquisas. Mas por que ninguém conseguiria vencê-lo?

QUESTÃO RACIAL
A história se encarregará, claro, de dissecar o fenômeno Obama, também um primor de organização de campanha, que soube aproveitar todos os recursos da moderna tecnologia, inclusive para arrecadar dinheiro. Mas é evidente que a questão racial, praticamente ausente de seu discurso, a não ser por alusões indiretas — E JUSTAMENTE PARA DESCARACTERTIZAR O RACISMO —, foi uma das chaves do seu sucesso. E continuou a sê-lo até o último momento. Até o seu discurso de vitória.

Suspeitava-se de um racismo envergonhado numa América que, desde as primárias do Partido Democrata, demonstrava, sim, apreço e respeito por Barack Obama. Criou-se a tese de que só esse racismo poderia derrotá-lo. E isso o transformou num candidato intocável. Obama só perderia a eleição se fosse sabotado! Um analista falava ontem na TV — já com a vitória democrata consolidada. E fez o seguinte raciocínio: no começo da campanha, Obama teve de enfrentar as acusações de que era inexperiente, mas, na verdade, elas eram apenas uma forma de mascarar o racismo. Como assim? E então ele não é mesmo inexperiente? A um branco com a sua mesma trajetória, tal indagação seria ou não legítima? A cor da pele de Obama foi a sua armadura.

Vejam só: um candidato ganha se tem mais delegados, certo? Para tanto, precisa contar com mais votos em cada estado. Estamos diante da seguinte situação:
1 – a maioria obtida por Obama lhe foi garantida pelos não-racistas;
2 – se perdesse, seguindo a tese, teria perdido, então, para o racismo;
3 – logo, a minoria que ficou com McCain é, obviamente, racista;
4 – com zero de racismo, Obama teria 100% dos votos, superando as marcas das eleições de Saddam Hussein no Iraque e de Putin na Chechênia.
E, ainda agora, consolidada a vitória, há certo esforço para provar que, embora racistas, os americanos elegeram um negro… Faz sentido? Não faz.

Continua após a publicidade

Volto ao Apocalipse, agora no último capítulo:

E [o anjo das sete taças] mostrou-me o rio da água da vida, claro como cristal, que procedia do trono de Deus e do Cordeiro. No meio da sua praça, e de ambos os lados do rio, estava a árvore da vida, que produz doze frutos, dando seu fruto de mês em mês; e as folhas da árvore são para a cura das nações. Ali não haverá jamais maldição. Nela estará o trono de Deus e do cordeiro, e os seus servos o servirão, e verão a sua face; e nas suas frontes estará o seu nome. E ali não haverá mais noite, e não necessitarão de luz de lâmpada nem de luz do sol, porque o Senhor Deus os alumiará; e reinarão pelos séculos dos séculos. (22,1-22,5).

Não será assim. E que ninguém caia na tolice de achar que a pauta dos inimigos dos Estados Unidos ou do Ocidente, esse grande cão infiel, vai mudar por causa de Obama. Eles, aliás, torciam justamente pela vitória democrata porque o consideram “ruim” para o Grande Satã. Publiquei aqui trechos da parte mansa do Apocalipse, mas não tenho, sobre o resultado, uma perspectiva apocalíptica, escatológica. Se me perguntarem: “O que você acha que Obama fará de muito especial?” Minha resposta: “Nada!” Até corre o risco, a depender da provocação que receba, de reagir com excessiva dureza porque sabe que tem um certo déficit de credibilidade na área de segurança.

Então por que McCain? Minha resposta talvez surpreenda algumas pessoas — e, de certo modo, está posta naquele texto sobre Edward Hopper: em primeiro lugar, Obama e todo esse movimento de opinião, acho eu, podem tornar a América um país onde os fracos, unidos, fazem a força, entendem? Isso serve pra cabo de guerra, mas não para as nações. O melhor dos Estados Unidos está no fato de os americanos não darem muita bola uns aos outros. Em segundo lugar, se ele fizer um bom governo, será algo realmente surpreendente: sua experiência política é ridiculamente pequena. O fenômeno Obama tem muito, creio, de reativo. Em muitos sentidos, encarna o anti-Bush, tornado o senhor do Apocalipse. Se Obama quiser, dá até para ensaiar o discurso da “herança maldita”…

Aquele que é o Alfa e o Ômega começou a se tornar homem ontem à noite. Vamos ver como ele se sai no novo papel. Acho que os eleitores de McCain e eu vamos nos decepcionar menos do que os eleitores de Barack Obama e a imprensa americana e mundial. Afinal, ainda não é o doce fim da história que encerra o Apocalipse. É só o começo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.