Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

AO MENOS ISSO!

(leia primeiro o post abaixo) Vá lá que Leonardo Prudente (sem partido), deputado do Distrito Federal, tenha direito ao processo legal. Os caminhos do estado democrático e de direito nem sempre são os mais curtos, mas devemos ter como certo que cumpri-los, ainda que, às vezes, isso pareça enervante, é ainda melhor do que buscar […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 16h05 - Publicado em 18 jan 2010, 18h41

(leia primeiro o post abaixo)
Vá lá que Leonardo Prudente (sem partido), deputado do Distrito Federal, tenha direito ao processo legal. Os caminhos do estado democrático e de direito nem sempre são os mais curtos, mas devemos ter como certo que cumpri-los, ainda que, às vezes, isso pareça enervante, é ainda melhor do que buscar atalhos, fonte certa de injustiças futuras. Assim, mesmo sendo quem é, o que as câmeras mostram, mesmo em seu comportamento asqueroso, há uma lei que o ampara, mas que também o pune. Cumpre vigiar para que se chegue à punição. Ponto parágrafo.

Agora, presidir a Câmara Distrital? Bem, aí já é um pouco demais, não? Aí é escárnio. A função é, antes de mais nada, institucional. Ele é o representante da hora do Poder Legislativo. Se a lei ainda não permite que se lhe dê um pé no traseiro — e, felizmente, ele não poderá se candidatar no próximo pleito porque está sem partido —, há de permitir que não macule a instituição com o seu comportamento indecente, criminoso.

E Arruda? Deveria estar no cargo? Se a imagem for o que, tudo indica, é, ele deveria é estar na cadeia, não no governo. Mas aí o trâmite é um pouco mais complicado, por mais que isso choque o nosso senso individual de justiça. Quando recebeu o pacote de dinheiro — aquele de que se tem imagem —, ainda não estava no governo. Para retirá-lo, será preciso que a Câmara Distrital acate o pedido de impeachment. Parece improvável que isso aconteça. Se conforta saber que ele está eleitoralmente liquidado, não é para ninguém se conformar com a eventual impunidade.

O triste, no caso do Distrito Federal, é que, caso não se mude a escrita que há lá até agora, os amadores de Arruda vão cair fora para dar lugar aos profissionais de Joaquim Roriz. Pobre Distrito Federal! Tão cheio de sol, tão pobre de luz!

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês