Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

A bravata “Não vamos aceitar” é o “Não me representa” da direita!

Um liberal pode assistir com certo distanciamento, quase com curiosidade científica, aos movimentos de ideologias marginais de esquerda e de extrema direita

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 27 mar 2017, 07h54 - Publicado em 27 mar 2017, 04h23

Ser, de fato, um liberal — e isso quer dizer não transigir, na democracia, com as regras e as balizas do estado de direito — não deixa de ser um posto privilegiado. Pode-se assistir com certo distanciamento, quase com curiosidade científica, aos movimentos das ideologias marginais de esquerda e de extrema direita. Bem, como não constatar? Eles são parecidos! Sim, nasceram como irmãos siameses, distanciados depois pelas contingências, mas sua matriz de pensamento é a mesma.

Sairá, em breve, um livro no Brasil, de que faço o prefácio, que evidencia como o reacionário Oliveira Vianna era a inspiração do comunista Caio Prado. Ambos repudiavam o… liberalismo decadente!

Sim, é verdade: algumas pessoas que estão por aí a defender isso e aquilo não têm ideia nem remota daquilo que falam. Assim como existe uma esquerda que ignora postulados do que seria seu pensamento, também à direita isso se verifica de forma um tanto constrangedora.

Prestei atenção a alguns cartazes das micromanifestações deste domingo. Lia-se lá, com alguma frequência, o “não vamos aceitar…” — e os complementos eram os mais variados: “financiamento público”, “voto em lista”, “anistia ao caixa dois” (essa fantasia que ainda vira uma tara…).

Esse “Não vamos aceitar” — vale dizer: se o Congresso decidir, a gente não acata — é, no terreno da direita, o que era aquele deplorável “não me representa” da esquerda. Até nisso os dois extremos se igualam.

Eu sempre achava muito engraçado, e tirava onda aqui no blog, dessa conversa mole. Bastava um grupelho da esquerda bastarda não concordar com a decisão de alguma autoridade constituída, e lá vinha o “não me representa…”. Geralmente, esquerdistas gritavam essa palavra de ordem para aqueles que consideravam “de direita”.

Agora vem a direita com “não vamos aceitar isso e aquilo…”. Bem, não vou fazer à moda de Stálin, que teria indagado quantas divisões [de tanques] tinha o papa quando lhe contaram que o Sumo Pontífice havia considerado inaceitável uma decisão do Kremlin. Stálin era um ditador. Eu sou um liberal e democrata.

Se o Congresso decidir aprovar o financiamento público — DIGAM QUAL É A ALTERNATIVA OU PAREM DE TENTAR ENGANAR AS PESSOAS; NÃO ESTÁ DANDO CERTO! — e o voto em lista (IDEM!), o que significa exatamente “não aceitar”? A democracia estabelece o cardápio e o limite do que é aceitável, não é mesmo?

Continua após a publicidade

Nessas coisas, ou valem os princípios ou vale o oportunismo rasteiro. Já contei aqui e relembro. Antes do impeachment, me perguntaram: “E se o Congresso disser ‘não’, você acha que os defensores do impedimento devem fazer o quê?”. Dei a única resposta aceitável a um democrata: “Acatar o resultado e continuar na luta por meios legais e pacíficos”.

Eu jamais diria “Não vamos aceitar” ou “Não me representa”.

Até porque a democracia me representa.

O estado de direito me representa.

Não me representam os larápios nem os que se candidatam a tiranos sob o pretexto de caçar larápios.

Não me parece ser uma opinião muito difícil de entender. Ao contrário até. Estamos aqui a falar de tolerância política e da regra de ouro do jogo democrático. Ou é assim ou se escolhe o caminho da clandestinidade.

Não há uma terceira opção.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês