Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Witzel fala de Gabigol, se diz ‘homem simples’ e avisa: ‘não vou mudar’

Em desabafo, governador do RJ defende estilo de governar; 'Quem estiver com saudade de governantes que sabiam tudo de Paris, pode visitá-los na cadeia'

Por Mariana Muniz 10 dez 2019, 12h15

Alvo de críticas por ter se ajoelhado diante de Gabigol na final da Libertadores e por outros episódios controversos, como a suposta tentativa de encontro com a cantora Ivete Sangalo, o governador Wilson Witzel resolveu desabafar.

Em um “textão” que será publicado nas suas redes sociais, Witzel abre o coração e se diz um “homem simples que, por vezes, se excede na alegria, nas comemorações e na espontaneidade”.

Ele pede desculpas por um desses episódios, quando se ajoelhou diante do atacante do Flamengo, Gabigol, e diz que, naquele momento, dentro do gramado, era apenas “um torcedor apaixonado”. “Peço desculpas àqueles que se sentiram ofendidos pela minha homenagem ao Gabigol. ‘Governador não se ajoelha’, disseram. Naquele momento eu era um torcedor apaixonado”, registra Witzel.

O governador defende sua agenda internacional, dizendo que tem viajado ao exterior para “promover o imenso potencial turístico do RJ e com a missão de resgatar o nosso estado do abandono e da roubalheira que ele sofreu durante anos” e defende os resultados de seu governo.

Witzel manda um recado aos críticos do seu comportamento, incluindo uma direta ao ex-governador Sergio Cabral. “Quem estiver com saudade de governantes pomposos que sabiam tudo de Paris e conheciam vinhos caros, podem visitá-los na cadeia”, afirma.

Continua após a publicidade

Publicidade