Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Startups jurídicas comemoram fala de Barroso sobre inteligência artificial

O presidente do STF e do CNJ anunciou nesta semana o investimento pesado em tecnologia da informação para ajudar na agilização da Justiça

Por Redação
20 out 2023, 15h30

Em sua primeira sessão no comando do CNJ, na terça-feira, o ministro Luís Roberto Barroso anunciou que a instituição vai “investir pesado” e “toda a energia possível” em tecnologia da informação para ajudar na agilização da Justiça, depois de conseguir um aumento no orçamento ao receber 28 milhões de reais cedidos pelo TST.

A declaração foi comemorada pelo segmento das startups jurídicas, que tem um público-alvo de 1,3 milhões de advogados. Barroso disse ter se reunido com as big techs, Amazon, Microsoft e Google, e feito encomendas de pilotos de três propostas que possam ajudar o Judiciário Brasil, “por enquanto pro bono” [pelo bem público].

Segundo o presidente do STF, as empresas prometeram entregar um programa de inteligência artificial que seja capaz de, ao receber o processo, resumir o fato relevante, a decisão de primeiro grau, a decisão de segundo grau e as razões de recurso; um “ChatGPT”, uma inteligência artificial generativa estritamente jurídica, alimentado com as jurisprudências do Supremo, do STJ e dos tribunais estaduais, capaz de fazer um esboço de decisão com aquelas informações; e  uma interface única para todos tribunais que adotam diferentes sistemas.

A iniciativa foi vista por empreendedores e investidores de startups como uma porta aberta para novos negócios e ampliação da carteira de clientes. “O uso da inteligência artificial no setor jurídico já é uma realidade, mas essa iniciativa mostra não apenas aos advogados, mas principalmente ao mercado investidor, que as lawtechs são a bola da vez no setor de startups”, afirmou Priscila Spadinger, CEO da Aleve Legaltech Venture.

Já Caio Rosseto Coelho, diretor-executivo da Cria.AI, empresa especializada na produção de peças jurídicas com o uso da inteligência artificial, afirma ver com entusiasmo a adesão do CNJ no uso da tecnologia. “Estamos convictos de que a chave para aprimorar a eficácia do sistema jurídico brasileiro reside na adoção dessas tecnologias sofisticadas. Essa inovação ampliará o acesso à justiça, conferindo maior eficiência e acessibilidade ao aparato jurídico do Brasil”, destacou.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.