Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Saúde prioriza gestantes e pessoas com sinais de ISTs para exames no RS

Falta de documentação não impedirá a realização de testagem rápida e de exames laboratoriais para HIV, sífilis e hepatites B e C

Por Nicholas Shores Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 15 Maio 2024, 17h55 - Publicado em 15 Maio 2024, 17h30

O Ministério da Saúde publicou orientações emergenciais para garantir que a população no Rio Grande do Sul tenha acesso a exames e monitoramento de infecções por HIV, sífilis e hepatites B e C. Uma delas é priorizar a oferta e realização de testagem rápida para gestantes e suas parcerias sexuais e pessoas com sinais ou sintomas de HIV e infecções sexualmente transmissíveis (ISTs). Além disso, a falta de documentação não impedirá a realização de testagem rápida e de exames laboratoriais para essas infecções.

A nota técnica, publicada no domingo, foi elaborada depois que a área do ministério que se encarrega da prevenção a essas infecções mapeou o cenário dos serviços de saúde que realizam exames de carga viral de HIV, hepatites B e C e contagem de linfócitos T CD4+/CD8+. O documento reúne situações e populações prioritárias que precisam ser registradas nas solicitações dos exames para que os laboratórios e serviços de saúde priorizem o atendimento.

Conforme o Protocolo Clínico e Diretrizes terapêuticas para o Manejo Clínico de Adultos que vivem com HIV de 2023, o tratamento antirretroviral deve ser iniciado logo depois do diagnóstico, de preferência nos primeiros sete dias.

O diretor do Departamento de HIV, Aids, Tuberculose, Hepatites Virais e Infecções Sexualmente Transmissíveis (Dathi) do Ministério da Saúde, Draurio Barreira, disse que sua equipe técnica está em contato com gestores de saúde do Rio Grande do Sul para garantir o cuidado das pessoas mesmo na situação de calamidade. “Desde o início, o Dathi segue em contato com as equipes das Secretarias de Saúde e Coordenações de HIV, Aids, Hepatites Virais e ISTs para atender às diferentes demandas identificadas o mais rápido possível”, afirmou.

Continua após a publicidade

Na semana passada, o Ministério da Saúde publicou nota sobre a remoção de barreiras de acesso ao tratamento de HIV, Aids e hepatites virais durante a vigência da situação de calamidade pública no Rio Grande do Sul.

Para reduzir o impacto da situação de calamidade pública que o Rio Grande do Sul, as medidas previstas na nota técnica têm caráter emergencial e excepcional.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.