Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Netos de Jango são candidatos, com militares no poder e apelos por AI-5

Christopher irá disputar a prefeitura de São Borja (RS), no PDT; João Marcelo tentará uma vaga de vereador em Sapucaia do Sul (RS), no PCdoB

Por Evandro Éboli Atualizado em 20 jul 2020, 09h56 - Publicado em 20 jul 2020, 08h30

Em tempos de militares no poder, pedidos de intervenção e de volta do AI-5 outros ventos de 64 ressurgem.

Dois netos do presidente deposto João Goulart vão às urnas neste ano. Como candidatos.

O advogado Christopher Goulart irá disputar a prefeitura de São Borja (RS) – onde estão enterrados seu avô, Leonel Brizola e Getúlio Vargas – pelo PDT.

Seu irmão, o médico João Marcelo Goulart, vai tentar uma vaga de vereador em Sapucaia do Sul (RS), pelo PCdoB. João formou-se médico em Cuba e trabalhou na Rocinha, no Rio, pelo programa Mais Médicos.

ASSINE VEJA

Crise da desigualdade social: a busca pelo equilíbrio Leia nesta edição: Como a pandemia ampliou o abismo entre ricos e pobres no Brasil. E mais: entrevista exclusiva com Pazuello, ministro interino da Saúde
Clique e Assine
Continua após a publicidade

Christopher nasceu no exílio e foi o único neto que Jango conheceu. Ele é primeiro suplente do senador Lasier Martins (Podemos-RS), mas se distanciaram politicamente, foram para rumos distintos.

Para ele, o momento político remete a 1964, com exaltação a torturador, pedidos intervenção militar e até da reedição do AI-5 vistas em manifestações.

“Represento uma tradição familiar que está em outro caminho. O ambiente daquela época se reapresenta com outra roupagem”

João Marcelo diz que o país vive momento delicado, com uma crise sanitária e flerte com o autoritarismo. Para o neto de Jango, a ascensão dos militares evidencia interesses obscuros do governo, que considera incapaz e desmoralizado.

“Minha candidatura representa a defesa da vida, resistência a esse autoritarismo cego que tem conduzido o país ao colapso do sistema de saúde com militares sem capacidade técnica para tomar as decisões corretas”, afirmou João Marcelo.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)