Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Imposto Seletivo não pode distorcer setor de petróleo, diz Refina Brasil

Associação vê risco de imposto criado pela reforma tributária resultar em tratamento desigual entre exportações e vendas no mercado interno

Por Nicholas Shores Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 11h39 - Publicado em 1 mar 2024, 16h30

A criação do Imposto Seletivo, que incidirá sobre bens e serviços prejudiciais à saúde e ao meio ambiente, é um dos temas a ser tratados na regulamentação da reforma tributária. O governo Lula deve encaminhar os projetos de lei complementar para essa etapa ao Congresso a partir de abril.

A Refina Brasil, associação que reúne as refinarias privadas nacionais, vê risco de que o imposto inviabilize o setor. “Apesar de o Brasil ser autossuficiente na produção de petróleo, hoje nós só refinamos 80% dos derivados consumidos no país”, afirma Pedro Passos, consultor jurídico da associação.

“20% desses derivados são refinados por nossas associadas e nenhuma delas utiliza petróleo brasileiro nesse processo devido a distorções tributárias e regulatórias”, acrescenta.

Hoje, aproximadamente 60% dos derivados são produzidos no sistema Petrobras, 20% por refinarias independentes e 20% são importados para comercialização no país. 

A Refina Brasil atribui esses números, em parte, às distorções tributárias e regulatórias do setor: “A Petrobras e todas as outras empresas que extraem petróleo brasileiro preferem exportar a vender para as refinarias independentes”, diz Passos.

Continua após a publicidade

O setor vê risco de o Imposto Seletivo resultar em tratamento desigual entre as exportações de petróleo e as vendas da commodity no mercado interno. Para as refinarias privadas, esta seria uma “nova distorção” que poderia surgir na regulamentação da reforma tributária.

“Se o [Imposto] Seletivo for desonerado apenas na exportação, as produtoras de petróleo vão ter mais um incentivo para exportá-lo ao invés de o utilizarmos para a industrialização no país. O Brasil continuará a ser um grande exportador de petróleo e importador de combustíveis, na contramão de todo o esforço do país com vistas à sua reindustrialização”, diz o consultor da Refina Brasil.

Pedro Passos afirma que “qualquer movimento para desonerar as exportações (de petróleo) deve ser acompanhado da desoneração, igualmente, das vendas no mercado interno”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.