Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Bolsonaro começa a fazer com Teich o que fez com Mandetta

O ministro da Saúde não é ouvido pelo governo para decidir questões sobre isolamento social, mas será culpado pelo Planalto pelo eventual fracasso

Por Robson Bonin Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 12 Maio 2020, 11h47 - Publicado em 12 Maio 2020, 06h09

Nelson Teich foi colocado no lugar de Luiz Henrique Mandetta para fazer diferente. Se fosse para defender isolamento social e responsabilidade no front de batalha contra o coronavírus, Jair Bolsonaro não teria trocado a tripulação do Ministério da Saúde em plena viagem ao precipício.

Com quase um mês no cargo, Teich, como especialista em saúde, não se desviou do caminho de Mandetta. Sob seu comando, o governo assistiu ao agravamento da pandemia, com a disparada de mortes diárias e a confirmação do fracasso na operação de compra de respiradores no mercado internacional.

ASSINE VEJA

Quarentena em descompasso Falta de consenso entre as autoridades e comportamento de risco da população transforma o isolamento numa bagunça. Leia nesta edição ()
Clique e Assine

As falhas no trabalho da Saúde deveriam cair na conta de Mandetta e Bolsonaro, que não tiveram a capacidade de trabalhar em conjunto para encontrar respiradores no mercado internacional. Mais do presidente do que do ministro da Saúde, é claro, porque o Planalto teria força para atuar na linha de frente, se não tivesse perdido tempo provocando a China, principal mercado de insumos de saúde na pandemia.

Teich chegou com os erros já cometidos. Seus efeitos foram sentidos, no entanto, na sua gestão e a ele coube o sacrifício de anunciar que o país teria de se virar para produzir os respiradores que fazem tanta falta e que não chegarão na velocidade necessária.

Continua após a publicidade

Teich também passou a ser refém de Bolsonaro na Saúde. Sem autonomia para nomear seu secretário-executivo, viu o presidente, do seu gabinete no Planalto, mandar um general do Exército assumir o trabalho na pasta, controlando decisões administrativas e atuando como interventor. Uma situação constrangedora, para dizer o mínimo.

A última do processo de boicote palaciano contra Teich foi divulgar, no horário em que o ministro dava a tradicional coletiva de imprensa, a medida de relaxamento do isolamento social para academias, salões de beleza e barbearias. “Não passou, não é atribuição nossa. Isso é atribuição do Presidente da República”, disse o ministro.

O movimento escancarou o papel de bode expiatório de Teich. Todo o sucesso colhido por ele será abraçado pelos militares e por Bolsonaro, que tomaram conta da pasta. Todo o fracasso das decisões, no entanto, será atribuído a Teich.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.