Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Alinhamento cego a Trump não será bom ao Brasil, diz estrategista de Obama

Ex-consultor de guerra dos Estados Unidos avalia que a diplomacia brasileira perdeu, sob Bolsonaro, sua grande arma, o multilateralismo

Por Manoel Schlindwein Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 16 abr 2020, 08h16 - Publicado em 16 abr 2020, 07h32

Consultor de guerra dos Estados Unidos no Afeganistão e no Iraque, o indiano Parag Khanna traça um cenário preocupante para o Brasil em tempos de coronavírus. A associação quase cega do governo de Jair Bolsonaro aos Estados Unidos de Donald Trump e movimentos hostis à China, em função do coronavírus, são erros do bolsonarismo que podem custar caro ao Brasil no período pós-pandemia.

“No curto prazo, de um lado você vê as pessoas culpando a China. Mas, por outro lado, há países que são muito gratos aos recursos oferecidos pela China, como os ventiladores e as máscaras cirúrgicas. Aqui onde moro, na Ásia, há uma grande dose de suspeitas sobre a China, mas também o entendimento de que o crescimento econômico deles e a volta à normalidade é algo bom. Então não devemos transferir o que está acontecendo agora para tirar conclusões sobre o futuro”, diz Khanna ao Radar.

Sobre a relação do clã Bolsonaro com Donald Trump, Khanna lembra que uma das principais virtudes da política externa brasileira era apostar no multilateralismo que permitia ao país tirar proveito de relações diplomáticas em diferentes frentes, o que foi perdido no momento.

Continua após a publicidade

“Num dos meus livros, elogio o Brasil porque países inteligentes fazem múltiplos alinhamentos, eles procuram fazer boas relações com os EUA, a Europa e a China ao mesmo tempo. Contei sobre a aliança estratégica que vocês assinaram em 2004 com a China e que, mesmo sem ter costa para o Oceano Pacífico, o Brasil entendeu que poderia ter um papel econômico mundial e ser multidirecional e praticar um alinhamento múltiplo. Então uma mudança nessa visão para um foco único nos Estados Unidos não é saudável para o Brasil”, diz o indiano.

ASSINE VEJA

O vírus da razão O coronavírus fura a bolha de poder inflada à base de radicalismo. Leia também: os relatos de médicos contaminados e a polêmica da cloroquina ()
Clique e Assine

Khanna foi estrategista de política externa da campanha de Barack Obama em 2008 e, depois, consultor do exército norte-americano no Iraque e no Afeganistão. Ex-bolsista da Fundação Ford, foi analisar a governança global no Instituto Brookings e as Tendências Mundiais 2030 para o Conselho de Inteligência Nacional dos EUA. No meio do caminho, escreveu seis livros sobre geopolítica mundial.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.