Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Ala de ACM Neto quer anular filiação de Moro ao União Brasil

O grupo vai entrar com pedido junto à executiva da legenda

Por Laísa Dall'Agnol Atualizado em 1 abr 2022, 19h23 - Publicado em 1 abr 2022, 17h54

Depois de emitir uma nota na última quinta-feira em que deixou claro seu posicionamento contrário à candidatura de Sergio Moro ao Planalto pelo União Brasil, a ala liderada por ACM Neto na sigla vai apresentar um pedido junto à cúpula partidária para anular a filiação do ex-ministro de Jair Bolsonaro.

O grupo cita que o tema deverá ser analisado por decisão colegiada da Executiva Nacional — cabendo ao Presidente, Luciano Bivar, “apenas dirigir o partido de acordo com as decisões de seus órgãos deliberativos”.

A nota de quinta, assinada por Neto e outros sete dirigentes do União Brasil, deixou claro que, embora haja um consenso de que Moro pode “contribuir para o cenário político nacional”, sua atuação — ao menos no partido — não incluiria a disputa pelo Planalto.

Também assinaram o documento o 1º secretário do partido, Efraim Filho, o vice-presidente, José Agripino Maia, e os vice-presidentes Ronaldo Caiado, professora Dorinha, Mendonça Filho, Davi Alcolumbre e Bruno Reis.

Ao trocar o Podemos pelo União Brasil, também na quinta, o ex-juiz apresentou a sua desistência de concorrer à presidência “naquele momento”. Nesta sexta, no entanto, fez um pronunciamento individual dizendo que não havia desistido “de nada” — e que não concorreria a uma vaga como deputado federal. Moro não respondeu se iria, de fato, voltar a se colocar como pré-candidato à presidência da República — e pediu “desprendimento” de outros postulantes, como João Doria (PSDB), Eduardo Leite (PSDB) e Simone Tebet (MDB).

Em seu discurso, o ex-ministro inclusive teceu elogios a Bivar, a quem classificou como o “líder da formação” da união em torno do centro democrático contra os extremos no país.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)