Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Radar

Por Gustavo Maia (interino) Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

A preocupação de Lula com o PL de Valdemar Costa Neto

Ex-presidente comentou aumento da bancada do PL e voltou a defender que sindicatos se organizem em torno da 'contrarreforma' trabalhista

Por Laísa Dall'Agnol Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 abr 2022, 12h29 - Publicado em 4 abr 2022, 12h24

O ex-presidente Lula (PT) comentou, nesta segunda-feira, a recém-formada configuração do Congresso após as trocas da janela partidária e demonstrou preocupação com o crescimento do PL — partido do presidente Jair Bolsonaro.

Durante encontro com lideranças da CUT, Lula defendeu que, mesmo num cenário em que o PT ganhe a presidência da República, será “muito difícil fazer qualquer coisa” com o Congresso na atual formação e que, por isso, os eleitores precisam voltar a atenção à escolha de deputados e senadores, e não apenas ao voto para presidente e governador.

“O PT, que era o maior partido no Congresso, tem 56 deputados, de 513. A esquerda toda tem 100 e poucos. Só o Valdemar Costa Neto [presidente do PL] tem agora 78 deputados. Ou seja, os partidos deixaram de ser partidos e viraram cooperativas de deputados. O que vale é a repartição do fundo eleitoral”, disse o ex-presidente.

Lula defendeu, ainda, que as lideranças sindicais precisam se organizar para apresentar as pautas prioritárias à população, entre elas, a chamada ‘contrarreforma’ trabalhista.

Continua após a publicidade

“Se a gente não mudar o Congresso, é muito difícil imaginar que você vai fazer as reformas que precisamos fazer. Ou melhor, a contrarreforma que precisamos fazer. Não adianta chorar, se não tiver números, a gente não faz. Na Espanha, que tinha o governo favorável, a maioria dos deputados favorável, depois de nove meses de discussão ganhou por um voto (…) Essa é uma eleição que a gente vai ter que fazer mais do que em outras eleições. A gente vai ter que colocar no papel o que a gente quer, e a gente vai ter que ensinar a sociedade a cobrar dos deputados as coisas. Porque daqui pra frente a gente vai ter que mudar o jeito de fazer pressão no Congresso”, declarou.

Na última semana, o petista se reuniu com a vice-presidente da Espanha, Yolanda Díaz, para discutir a “revisão” da reforma trabalhista espanhola, aprovada no início deste ano. Foi o terceiro encontro para tratar do tema.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.