Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

Venda da Braskem começa a sair do papel

Bancos coordenadores da oferta vão iniciar o road show a possíveis compradores para a petroquímica que hoje pertence à Odebrecht e Petrobras

Por Josette Goulart Atualizado em 26 mar 2021, 09h54 - Publicado em 26 mar 2021, 08h17

Depois de valorizar 60% no ano na bolsa, chegou a hora de botar a venda da Braskem na rua. A Odebrecht tem até o fim do ano para se desfazer do ativo, de acordo com seu plano de recuperação judicial, e estava esperando o melhor momento para reiniciar o processo. Segundo fontes próximas ao negócio, este momento chegou e a venda vai começar a esquentar nestes meses de abril e maio quando os coordenadores começarão a fazer road shows para buscar possíveis compradores. A Braskem tem um valor de mercado de quase 30 bilhões de reais e a Odebrecht divide o controle da empresa com a Petrobras. A estatal não tem obrigação de vender sua parte, mas já demonstrou interesse em sair do ativo.

A venda da petroquímica chegou a ser negociada, há dois anos, mas não foi para frente. Em 2020, com o desastre geológico em Maceió e a briga com o governo mexicano, o processo de venda foi paralisado. Com os dois assuntos equalizados, as ações da Braskem subindo e o dólar deixando a empresa barata para investidores estrangeiros, o momento ficou propício. Como vender ativos com prazo definido pode acabar forçando negociações menos favoráveis, os bancos credores da Odebrecht até concordaram em estender o prazo para fechamento do negócio para além de 2021 desde que pelo menos haja negociações firmes na mesa até o fim do ano.

Leia também:

  • Pesquisa mostra que brasileiro subestimou a pandemia e culpa Bolsonaro.
  • Bolsonaro marcha firme para impor agenda ideológica no ensino.
  • Em busca do tempo perdido, UE vai restringir exportações de vacinas
  • Brasil ainda perde tempo em debates sobre a falsa dicotomia entre saúde e economia.
  • Ministério da Infraestrutura: governo espera arrecadar R$ 10 bilhões com pacote de concessões.
  • STF se prepara para julgar uma ação decisiva para a quebra de patentes.
  • O futuro incerto de Sergio Moro depois da derrota no STF.
Publicidade