Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

O Som e a Fúria Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Felipe Branco Cruz
Pop, rock, jazz, black music ou MPB: tudo o que for notícia no mundo da música está na mira deste blog, para o bem ou para o mal
Continua após publicidade

Erasmo Carlos, o roqueiro que foi rebelde até o fim

Um dos mais prolíficos e carismáticos artistas do país marcou o rock nacional — e influenciou toda uma geração de novos músicos e compositores

Por Felipe Branco Cruz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 25 nov 2022, 10h00 - Publicado em 25 nov 2022, 06h00
ATITUDE - Tremendão: ele homenageou a jovem guarda em seu último álbum, com o qual ganhou o Grammy Latino -
ATITUDE - Tremendão: ele homenageou a jovem guarda em seu último álbum, com o qual ganhou o Grammy Latino – (Daryan Dornelles/Folhapress/.)

Se fosse possível apontar o local exato de nascimento do rock and roll no Brasil, provavelmente seria o bar Divino, na esquina da Haddock Lobo com a Matoso, na Tijuca, no Rio de Janeiro. No fim dos anos 1950, o boteco era o point de uma turma enérgica formada por jovens como Tim Maia, Roberto Carlos, Jorge Ben Jor e Erasmo Carlos — nomes que, hoje, dispensam apresentações. Desses quatro, porém, apenas Erasmo Carlos se manteria fiel até o fim às raízes roqueiras. Seu último disco, O Futuro Pertence à… Jovem Guarda, lançado neste ano, ganhou recentemente o Grammy Latino de melhor álbum de rock brasileiro. Internado às pressas com um quadro de inflamação generalizada na camada interna da pele, no hospital Barra D’Or, no Rio, na terça-­feira 22, Erasmo Carlos não resistiu aos problemas de saúde que se acumulavam, e morreu aos 81 anos. Há menos de um mês, o artista comemorou uma alta hospitalar, após internação com um quadro de síndrome edemigênica. Em 2021, em entrevista a VEJA, revelou que tratava também de um tumor no fígado. “Me vejo como um menino, mas a parte física que não me obedece”, disse.

Erasmo Carlos – Gigante Gentil

Erasmo Esteves, seu nome de batismo, nasceu em 5 de junho de 1941, na Tijuca. Foi a paixão pelo Vasco da Gama — e também pelo rock — que o uniu a Roberto Carlos, um jovem capixaba, craque no violão e muito afinado, que havia se mudado alguns anos antes para o bairro. Sem dinheiro para comprar uma vitrola, Erasmo frequentava uma gravadora independente com um amigo, onde conseguia ouvir os lançamentos. O dono, percebendo o talento dele para a música, sugeriu que fizesse uma versão em português de Splish Splash, fenômeno do rockabilly americano. A letra em português, que nada tem a ver com a original, batizou o segundo álbum de Roberto Carlos, de 1963, tornando-se um hit. “Quando comecei a ganhar dinheiro, eu pensei: ‘Por que não escrever minhas próprias letras?’”, disse Erasmo sobre o sucesso repentino. Dois anos depois, a amizade com Roberto e a cantora Wanderléa foi compartilhada com o restante do país no programa Jovem Guarda, da TV Record, atração que marcou época.

Continua após a publicidade
ESTOURO - A turma da jovem guarda: programa de TV e hits estrondosos -
ESTOURO - A turma da jovem guarda: programa de TV e hits estrondosos – (José Antonio/.)

Erasmo logo ganhou o apelido de Tremendão, uma gíria para rapaz boa-­pinta. Com o fim da atração, em 1968, ele e Roberto seguiram carreira-solo, mantendo a amizade e também a parceria musical. São da dupla composições memoráveis como É Preciso Saber Viver, Além do Horizonte, Detalhes e Sentado à Beira do Caminho. Ao contrário do parceiro, que se acomodou na música romântica, nunca deixou de ser um artista inquieto e aberto a novas ondas, mas sem nunca tirar um pé do rock. Com o álbum Carlos, Erasmo (1971), ele se firmou como ídolo do gênero. O disco cultuado contou com faixas como a polêmica Maria Joana, que, em plena ditadura militar, falava sobre o consumo de maconha. Em paralelo com a carreira de cantor, o Tremendão conquistou espaço como compositor. Prolífico, esteve envolvido na criação de mais de 750 músicas, que foram entoadas por nomes como Nara Leão, Maria Bethânia, Gal Costa e Rita Lee.

A canção no tempo – vol. 2: 85 Anos de Músicas Brasileira

Continua após a publicidade

Duas tragédias marcaram sua vida e, consequentemente, sua carreira. Em 1995, sua esposa, Sandra Sayonara Sayão Lobato Esteves, a Narinha, se matou, aos 49 anos, perda que o abalou profundamente. Erasmo só retomou os trabalhos nos anos 2000, até a morte do filho Alexandre Pessoal, em 2014, aos 40 anos, em um acidente de moto. Nos últimos tempos, parecia ter reencontrado a felicidade após o casamento, em 2019, com a pedagoga Fernanda Passos, a quem dedicou inúmeras declarações de amor. O gigante gentil, apelido carinhoso e literal (ele tinha 1,93 metro), foi, de fato, enorme. Adeus, Tremendão.

Publicado em VEJA de 30 de novembro de 2022, edição nº 2817

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

Erasmo Carlos - Gigante Gentil
Erasmo Carlos – Gigante Gentil
A canção no tempo - vol. 2: 85 Anos de Músicas Brasileira
A canção no tempo – vol. 2: 85 Anos de Músicas Brasileira

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.