Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

O Leitor

Por Maicon Tenfen
Lendo o mundo pelo mundo da leitura. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Os 60 anos de Michael Jackson: ele era um “cara diferente”

O fenômeno Michael Jackson não se reduziu a um mero produto empacotado pela indústria cultural.

Por Maicon Tenfen Atualizado em 29 ago 2018, 20h45 - Publicado em 29 ago 2018, 19h50

É noite e um carro para na estrada deserta. O rapaz explica à garota que a gasolina acabou. Ela sabe que isso é mentira, mas se finge de tola porque está visivelmente apaixonada.

— O que vamos fazer agora? — diz a moça, insinuante.

Em vez do tão esperado beijo, os dois saem à procura de ajuda. O rapaz caminha em silêncio. A garota não gosta disso, tenta puxar assunto. Param no meio da floresta.

Ele, sério:

— Preciso te dizer uma coisa.

Continua após a publicidade

Ela (será que vai me beijar agora?):

— Diga o que quiser. Sou toda ouvidos.

— Sabe que gosto de você, não sabe?

— Sim, eu sei.

Continua após a publicidade

— Que bom. Espero que goste de mim do mesmo jeito.

— Claro que gosto. Gosto muito. Gosto demais.

Os dois se abraçam, mas nada de beijo. O rapaz tira alguma coisa do bolso. É uma espécie de anel de noivado, que põe no dedo dela.

— Agora você vai ser a minha garota. Mas primeiro tenho uma revelação a fazer.

Continua após a publicidade

— Faça, meu bem. Pode se abrir comigo.

— Eu não sou como os outros rapazes.

— Claro que não. É por isso que eu te amo.

— Você não está entendendo. Sou um cara diferente.

Continua após a publicidade

— Diferente? Do que está falando?

Antes da resposta, um vento impetuoso sopra as nuvens que até então bloqueavam a claridade da lua cheia. O rapaz sente engulhos, geme e cai aos pés da moça.

— O que houve? — diz ela. — Você está bem?

— Ah! — exclama ele, agora com olhos brilhantes e voz cavernosa.

Continua após a publicidade

A garota grita, mas é tarde. Diante de nossa incredulidade, o “cara diferente” passa por uma horrível metamorfose. Torna-se lobisomem e começa a perseguir a mocinha por entre as árvores e as sombras. Ao que tudo indica, irá matá-la, esquartejá-la e dilacerá-la.

Só quem mora em Marte não assistiu ao videoclip acima. É a abertura de Thriller, a marca registrada de Michael Jackson, a quintessência do que sua música representa para o mundo.

No momento mais brilhante de sua carreira, o rei do pop fez questão de mandar uma mensagem subliminar a todos os seus súditos. Chamou atenção para o fato de ser “um cara diferente” antes de se transformar naquela criatura branca e sem nariz que semanalmente aparecia nas revistas de fofoca. Os fãs não tiveram melhor destino. Surpresos com o excesso de plásticas e as histórias de pedofilia, acabaram encarnando a mocinha que desejava um beijo. Foram simbolicamente assassinados, esquartejados e dilacerados.

Doeu em todo mundo. É que o fenômeno Michael Jackson não se reduziu a um mero produto empacotado pela indústria cultural. A despeito dos escândalos e dos fracassos que pesaram sobre o bizarro Peter Pan, muitos passaram a última década lamentando a sua morte. Desde o seu passamento, a sua imagem acumulou um “ganho” extraordinário: Michael morreu como curiosidade e ressuscitou como artista.

Do além-túmulo, o rei do pop recuperou sua majestade.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.