Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

O Leitor

Por Maicon Tenfen
Lendo o mundo pelo mundo da leitura. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Em termos de literatura, os pequenos é que são os maiores

Além de escrever livros caudalosos como 'Cem Anos de Solidão', Garcia Márquez deu o melhor de si numa noveleta chamada 'Crônica de Uma Morte Anunciada'

Por Maicon Tenfen Atualizado em 31 ago 2018, 10h22 - Publicado em 31 ago 2018, 09h10

Sobre a qualidade dos livros dos escritores do nosso e de outros tempos, tenho uma “tese” meio controversa que, por isso mesmo, não deve ser levada a sério. Mas insisto em descrevê-la e exemplificá-la; afinal de contas, a necessidade de se discutir literatura, ainda que seja a mais utópica das discussões, precisa ser considerada.

Sendo assim, lá vai: os melhores romances são os menores, nem mais nem menos. E quando digo “menores”, refiro-me ao tamanho do livro, ao número de páginas reduzido, não mais de 140, de modo que a leitura se dê em uma ou duas sentadas. Para corroborar a ideia, poderíamos até lançar uma espécie de slogan: grandes autores, pequenos romances.

Comecemos com um exemplo maiúsculo: Gabriel Garcia Márquez. Além de criar o mundo simbólico de Cem Anos de Solidão e a mitologia humanista de O Amor nos Tempos do Cólera, ambos romances caudalosos que exigem tempo e apego do leitor, deu o melhor de si numa noveleta chamada Crônica de Uma Morte Anunciada, um exemplo de elegância estilística, engenho narrativo e verossimilhança ficcional.

Não que os outros livros de Márquez sejam ruins, mas é como se, em cada palavra do livro menor, ele pudesse concentrar todas as suas virtudes e toda a sua experiência de contador de histórias. Em cada nova leitura da Crônica é possível descobrir algo novo e inusitado.

Continua após a publicidade

O mesmo pode ser dito sobre escritores com estilos tão diferentes quanto Franz Kafka e Ernest Hemingway. Mesmo aqueles que entraram n’O Castelo e enfrentaram O Processo de Kafka, romances monstruosos no conteúdo e no tamanho, sentiram-se mais confortáveis nas poucas páginas d’A Metamorfose, mesmo que elas relatem a desgraça de Gregor Samsa, o homem que um dia acordou transformado em inseto.

Já Hemingway, um superstar das letras, teve que escrever os milhares e milhares de parágrafos de Adeus às Armas e Por Quem os Sinos Dobram antes de reunir a serenidade necessária para escrever o mais belo e comovente dos romancinhos ocidentais: O Velho e o Mar. E a lista de exemplos continua ao infinito: Aura, de Carlos Fuentes; A Morte e a Morte de Quincas Berro d’Água, de Jorge Amado; O Alienista, de Machado de Assis.

Mas a grande verdade, para não transformar nenhuma “tese” em norma, é que muitos leitores se sentiriam desamparados sem os tijolões de Ana Karenina ou Guerra e Paz, sem os sete volumes de O Tempo e o Vento e, mais recentemente, sem as 785 páginas d’O Arco-íris da Gravidade, de Thomas Pynchon, e as mil e poucas páginas d’A Fogueira das Vaidades, de Tom Wolfe.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.