Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
maicon tenfen O Leitor Por Maicon Tenfen Lendo o mundo pelo mundo da leitura. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A Síndrome do Nibiru: por que precisamos do Fim do Mundo?

Sem a noção do fim, não teríamos um conceito de princípio, algo insuportável para a nossa espécie

Por Maicon Tenfen Atualizado em 23 set 2017, 00h38 - Publicado em 23 set 2017, 00h33

Previsões do Fim do Mundo existem desde o princípio dos tempos.

A do ano 2000, recentíssima, causou um impacto considerável sobre o público pagante. Nosso amor por datas redondas predisse que raivosas tempestades de fogo despencariam do espaço e varreriam a Terra para o quinto dos infernos. Ao contrário do que esperavam os desesperados, a data da hecatombe chegou e nada aconteceu, nem um mísero bug do milênio.

Bastante semelhante foi o presságio que marcava as explosões para 2012. Enquanto sábios e profetas divulgavam as premissas do Calendário Maia, espertalhões de casaca fizeram fortunas ao vender passagens para regiões paradisíacas que ficariam livres da destruição. Teve até filme sobre isso, mas adrenalina, que é bom, nada.

No fim das contas, ninguém precisa quebrar a cabeça para concluir que, se o mundo não acabou nas previsões anteriores, também não acabará hoje, sábado, 23 de setembro de 2017. Se acabar, beleza, dou a mão à palmatória, podem me trolar e escrever ali nos comentários: “errou, sabichão esquerdopata, ou errou, reaça safado, o falso fim do mundo é mais um truque para destruir a família, ou é mais um golpe na democracia etc. e tal”.

Mas, voltando ao ponto, por que será que de tempos em tempos inventamos que o mundo chegará ao fim com hora marcada? Essa parece ser uma questão mais necessária do que todas as cogitações sobre o planeta invisível Nibiru (nomezinho besta, não?).

A resposta mais direta tem a ver com uma instintiva estratégia de segurança espiritual. Não suportamos a indiferença do Universo. A expectativa de que há um epílogo para a humanidade corresponde à ideia de que tudo teve um princípio organizado e nada surgiu do acaso. Justamente porque prevemos o fim é que temos a garantia de um começo.  A finalidade da nossa existência – oh, sim, então a existência possui uma finalidade! – não podia estar mais assegurada.

O que aconteceria se olhássemos para a outra face do problema? Impossível não deparar com o caos, a desordem e a incerteza. Se a vida começou por acaso, então ela também pode terminar por acaso, sem datas, sem profecias, sem hora marcada. Teríamos então a convicção de que não há nenhuma Entidade para nos destruir, do mesmo modo evidente que não há ninguém – ninguém! – para nos proteger.

Estamos entregues à própria sorte, frágeis como uma casca de amendoim que flutua no vasto oceano do Universo.

Que tenhamos mitos para nos consolar, é mais do que compreensível. Um deles é o da Destruição, que existe apenas para garantir o da Criação. E é bom que seja assim. Caso contrário, seríamos ainda mais loucos, mais paranoicos e mais infelizes. Por isso devemos curtir, e curtir ao máximo, essa nova festa do Fim do Mundo, que lamentavelmente se encerrará logo mais à tardinha.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)