Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Noblat

Por Coluna Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Dilma: “Eu não vou pagar pela merda dos outros”

MEMÓRIAS DO BLOG

Por Ricardo Noblat Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 12 jul 2018, 12h00 - Publicado em 12 jul 2018, 12h00

Texto do dia 12/07/2015

A cena descrita pelas repórteres Natuza Nery e Marina Dias, da Folha de S. Paulo, ocorreu na sexta-feira dia 26 de junho, na biblioteca do Palácio da Alvorada.

Estavam ali a presidente Dilma Rousseff e os ministros Aloizio Mercadante, da Casa Civil, Edinho Silva, da Comunicação Social, e José Eduardo Cardozo, da Justiça. E também Giles Azevedo, assessor especial de Dilma.

A presidente os convocara para discutir reportagem da VEJA onde o empreiteiro Ricardo Pessoa, dono da UTC, havia dito que doara dinheiro sujo para a campanha de Dilma no ano passado.

Às vésperas de embarcar para se reunir com o presidente Barack Obama nos Estados Unidos, Dilma estava furiosa.

Segundo o relato publicado, hoje, pela Folha, “agitada, andando em círculos e gesticulando muito”, Dilma olhou para seus auxiliares e bradou, indignada: “Não sou eu quem vai pagar por isso. Quem fez que pague”. E insistiu:

Continua após a publicidade

– Eu não vou pagar pela merda dos outros.

Lá pelas tantas, a culpa acabou caindo nas costas do ministro da Justiça.

– Você não poderia ter pedido ao Teori [Zavascki] para aguardar quatro ou cinco dias para homologar a delação? – perguntou Dilma.

Ela se referia ao ministro responsável no Supremo Tribunal Federal (STF) pelos processos da Operação Lava Jato.

Foi ele que homologou a delação premiada de Pessoa.

Continua após a publicidade

– Isso é uma agenda nacional, Cardozo, e você fodeu a minha viagem.

O PT não se conforma de Cardozo não controlar a Polícia Federal. E, pelo visto, Dilma gostaria que ele também controlasse a agenda do ministro Zavascki.

No início da semana passada, Cardozo intermediou um encontro às escondidas na cidade do Porto, em Portugal, entre Dilma e Ricardo Lewandowski, presidente do STF.

Os três discutiram o aumento dos servidores do Judiciário, a Operação Lava Jato e o que o STF poderá fazer para impedir o eventual sucesso de um pedido de impeachment de Dilma.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.