Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Murillo de Aragão

Por Murillo de Aragão Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Continua após publicidade

Nove meses para a decisão

A terceira via cresce com força nas pesquisas

Por Murillo de Aragão Atualizado em 4 jun 2024, 13h11 - Publicado em 14 ago 2021, 08h00

Com a intensificação de sua guerra institucional contra o poder Judiciário, o governo Bolsonaro pode ter entrado no modo “autodestruição”. Pesquisas já indicam um relevante abandono da intenção de voto no presidente em 2022 por parte dos que não são bolsonaristas “raiz”.

E isso se confirma a partir de dois fenômenos crescentes: relativizar a era Lula (PT) e seus escândalos; e considerar que o presidente Jair Bolsonaro é um risco à economia e às instituições por causa de sua imprevisibilidade, seu temperamento e a vocação para criar confusão. Na prática, ele ainda pode reverter as tendências e caminhar para uma reeleição cujo cenário, até um passado recente, era o predominante.

Os indícios, contudo, não apontam nessa direção. Quando seus aliados pedem que ele se acalme, ele dobra a aposta. Quando a aposta dobrada causa consternação, ele prossegue dobrando a meta. No seu entorno já há quem avalie que se trata de caso perdido e que cada um deve começar a pensar em si mesmo.

Olhando a cena institucional, dois protagonistas têm planos para 2023 que seriam facilitados com a reeleição de Bolsonaro. Mas que não dependem disso. Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara, que trabalha para se manter no cargo em 2023 e que, com a sua incontestável liderança, será, caso reeleito deputado, o amplo favorito. E Ciro Nogueira (PP-PI), que tem a chance de presidir o Senado pela capacidade de articulação e pelo poder que detém a partir da Casa Civil, poderá construir uma base eleitoral para si.

Continua após a publicidade

“O presidente terá de marchar na direção da racionalidade, sob pena de naufragar antes de chegar à praia da reeleição”

Outro nome que tenta conter Bolsonaro dentro dos limites do razoável é o ministro das Comunicações, Fábio Faria (PSD), cujas opções são promissoras: reeleger-se facilmente para a Câmara; disputar o Senado; ou, até mesmo, assumir o posto de vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro em 2022.

De certa forma, o coração político do governo Bolsonaro não depende do presidente para sobreviver. Já o presidente depende fortemente desse coração político para sobreviver politicamente e ser reeleito. Nos próximos nove meses, ele terá de marchar na direção da racionalidade, sob pena de naufragar antes de chegar à praia da reeleição.

Continua após a publicidade

Para os bolsonaristas, os sinais são preocupantes. O governo não consegue faturar o que faz de bom e se mete em trapalhadas e conflitos desnecessários. As vantagens nas redes sociais, que fizeram a diferença nas eleições de 2018, já não são rocket science. A esquerda tem em Lula um candidato forte. E o centro tenta se articular.

O fato novo das últimas semanas é que a terceira via está ganhando força nas pesquisas. Principalmente nas pesquisas qualitativas, que revelam cansaço da população com a polarização bolsonaristas versus lulistas e a produção inconsequente de conflitos.

Na prática, os próximos nove meses trarão respostas que definirão as eleições presidenciais de 2022. Entre elas, constam o alcance da vacinação contra a Covid-19 e combate ao risco da variante delta; a intensidade do crescimento econômico; a viabilidade de um novo Bolsa Família; os efeitos políticos da crise hídrica; os desdobramentos das investigações de Bolsonaro no Tribunal Superior Eleitoral; a força do movimento pró-impeachment; e a viabilidade da terceira via presidencial.

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA de 18 de agosto de 2021, edição nº 2751

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.