Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

Por que professores ganham tão pouco no Brasil 

Davi Lago explica os tristes motivos que colocam o Brasil na última colocação entre 40 países examinados em pesquisa

Por Davi Lago
Atualizado em 10 Maio 2024, 08h25 - Publicado em 23 out 2023, 15h04

A desvalorização remuneratória e social da profissão de professor e professora no Brasil está entre as mais severas em todo o mundo. Conforme os relatórios “ Education at aGlance ” (2023) e “The State of Global Education” (2021) da Organização para a Cooperação do Desenvolvimento Econômico (OCDE), o piso salarial dos professores do ensino fundamental no Brasil é o mais baixo entre os 40 países examinados. Os rendimentos dos professores brasileiros são menores do que de países como México, Colômbia e Chile. 

O Instituto Península, por sua vez, investigou a percepção da sociedade brasileira sobre os educadores e constatou que 72% dos brasileiros veem o professor como um cargo desvalorizado. Contudo, poucas profissões têm uma importância tão grande nas sociedades humanas como o magistério. Como ilustra a própria etimologia do termo português “ensinar”, que remete ao latim “insígnia”, “sinal”, ou seja, “colocar um sinal, colocar uma marca”. Não é difícil recordar alguma professora que tenha marcado nossas vidas. 

Ensinar é aquela profissão que cria todas as outras profissões. Como Cícero já havia discernido na Roma antiga: “que benefício maior ou melhor podemos oferecer à República do que ensinar e instruir a juventude?”.

A lição de casa atrasada do Brasil é valorizar os professores. E todos tem responsabilidade nisto. A começar pelos governos. O Estado tem responsabilidade em garantir condições de remuneração e trabalho adequadas. 

Continua após a publicidade

Conforme a Fundação Carlos Chagas, um terço dos professores brasileiros trabalha com mais de 300 alunos por ano – uma média 50% superior aos países com melhores indicadores educacionais. Os ocupantes de cargos executivos e legislativos em todos os âmbitos da federação precisam desenvolver regularmente aprimoramentos na formação inicial e continuada de qualidade, acesso a bens culturais e planos de carreira estruturados. A atual fuga de cérebros do Brasil é insustentável e compromete nosso desenvolvimento no longo prazo. Como o país melhorará se as carreiras de docência e pesquisa não atraem os melhores talentos?

Os próprios professores e professoras também precisam ter voz. Ser professor é missão, mas também é profissão. Neste sentido, é sempre bem-vinda a pesquisa Profissão Professor da instituição Todos pela Educação. Os próprios docentes indicam os seguintes fatores como determinantes para a valorização da profissão: dar mais oportunidades de qualificação para os professores que já estão atuando; restaurar o respeito pela figura do professor frente aos estudantes e familiares dos alunos; fixar os professores em uma única escola, de modo que ele venha a ser conhecido e respeitado pela comunidade escolar; aumentar a colaboração entre os colegas de profissão; maior apoio das equipes gestoras; maior segurança no ambiente escolar; melhorias na

infraestrutura das escolas; melhoria dos materiais didáticos para sala de aula. 

Continua após a publicidade

As próprias instituições escolares e os gestores educativos também têm um papel crucial na valorização dos professores organizando ações como: ampliação do diálogo sobre a organização e o planejamento escolar, estabelecimento de uma cultura de feedback na escola, aperfeiçoamento no conhecimento de novas ferramentas tecnológicas. Valorizar os professores é levar nosso futuro à sério.

PS – Dedico este artigo à minha professora na 1ª série do primário: Judith Leite

* Davi Lago é professor, coordenador de pesquisa no LABÔ/PUC-SP e doutorando em Filosofia e Teoria do Direito pela Faculdade de Direito da USP – Largo do São Francisco

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.