Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Matheus Leitão

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

Por que os jovens de esquerda têm saído das igrejas evangélicas

Teólogo Rodolfo Capler acredita que o país pode estar diante de uma das maiores debandadas de jovens das comunidades protestantes cristãs

Por Rodolfo Capler
Atualizado em 18 abr 2022, 10h32 - Publicado em 18 abr 2022, 08h46

Nos últimos oito anos, com o impeachmente da ex-presidenta Dilma Rousseff e com a eleição do atual presidente Jair Messias Bolsonaro, um processo tem se convencionado no seio do chamado movimento evangélico brasileiro. O processo ao qual me refiro é o da evasão das novas gerações de jovens das igrejas evangélicas em decorrência de seus posicionamentos políticos progressistas. 

Com a interrupção do governo PT, após quatorze anos no poder, e com a ascensão de uma direita ideologicamente extremista, os ambientes de expressões da fé evangélica foram radicalmente alterados como reflexo da adesão de seus líderes aos discursos autoritários e à racionalidade neoliberal. A transmutação dos ambientes eclesiásticos consiste, antes de tudo, num banimento do pensamento contrário, sobretudo no que diz respeito à política e à cultura. Visto que concepções conservadoras – e muitas vezes, o pensamento reacionário -, encontram posição de hegemonia no segmento religioso, perspectivas progressistas ou posicionamentos políticos à esquerda, são rechaçados, condenados e suprimidos. Por essa razão, podemos estar diante de uma das maiores debandadas de jovens das igrejas evangélicas. 

Em 2014, em minha tese de conclusão do curso de Teologia numa instituição confessional de ensino superior, trabalhei numa pesquisa de campo realizando inúmeras entrevistas com jovens afastados da comunhão de suas comunidades de fé e auferindo os principais fatores motivadores de suas deserções. Dentre as principais razões da fuga dos jovens de suas igrejas, figurava a falta de espaço para a expressão do pensamento contrário. Este Aspecto é chamativo, pois vai de encontro com os estudos de Jean W. Twenge, professora do Departamento de Psicologia da Universidade de San Diego, que em sua ampla pesquisa com jovens – especialmente com os nascidos a partir de 1995 -, constatou que eles valorizam o diálogo de forma inegociável, constituindo a geração mais inclusiva de toda a história. 

À vista disso, entre os mais novos é natural a identificação com as ideias progressistas, o que per se tem o potencial de gerar conflitos nos ambientes eclesiásticos mais conservadores. Em minha experiência diária, tenho encontrado cada vez mais jovens evangélicos apossados por profundas crises de fé em decorrência de suas concepções políticas. 

Continua após a publicidade

O estágio último dessas crises de fé experimentadas pelos mais jovens é o abandono de suas comunidades religiosas, o que em ambientes rígidos e autoritários se torna algo incontornável. Infelizmente, toda essa conjuntura de intolerância das igrejas evangélicas em relação às ideias progressistas tende a se intensificar nos próximos meses, o que causará mais egressões e provocará danos irreparáveis à imagem das igrejas perante os mais jovens.

* Rodolfo Capler é teólogo, escritor e pesquisador do Laboratório de Política, Comportamento e Mídia da Fundação São Paulo/PUC-SP

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.