Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

Os escândalos da Cruz Vermelha São Paulo em meio à tragédia do RS

Ex-funcionária relata desvio de doações e de verba pública da prefeitura de São Paulo, além de assédio sexual

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 28 Maio 2024, 13h02 - Publicado em 16 Maio 2024, 15h34

A Polícia Civil do Estado de São Paulo instaurou, em abril deste ano, um inquérito para investigar a suspeita de que o diretor-executivo da Cruz Vermelha São Paulo, Bruno Semino, teria se apossado de 5% de “toda e qualquer doação recebida” pela instituição.

O caso chama atenção porque a Cruz Vermelha promove, neste momento, uma ampla campanha de arrecadação para auxiliar as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul, com Semino aparecendo, com frequência, em entrevistas à imprensa e nas redes sociais para solicitar doações.

As autoridades também apuram suposto superfaturamento de contrato de fornecimento de oxigênio, falsificação de assinaturas em prontuários médicos, extravio de medicamentos e retiradas irregulares de valores do caixa, além de desvio de recursos públicos oriundos das secretarias de Saúde e de Direitos Humanos do município de São Paulo.

A notícia-crime foi apresentada por Júlio Cals de Alencar, presidente da Cruz Vermelha Brasileira, com base em denúncia à Comissão de Ética da organização – realizada por uma auditora forense que comandou o setor de compliance da filial paulista.

Em comunicações repassadas à Polícia Civil, a ex-funcionária relatou, ainda, a ocorrência de assédio moral e sexual e até mesmo o armazenamento de marmitas dos pacientes em câmaras frias de necrotério, destinadas ao acondicionamento de corpos humanos.

No despacho que ordenou a abertura do inquérito policial contra a cúpula da Cruz Vermelha São Paulo, o delegado Tiago Fernando Correia, da 3ª Delegacia de Polícia Civil de São Paulo, determinou o acionamento do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) para apurar possíveis movimentações financeiras atípicas de Bruno Semino e do presidente da Cruz Vermelha São Paulo, Jorge Wolney Atalla Júnior – outro alvo do inquérito.

Continua após a publicidade

“Expeça mensagem eletrônica à operosa Divisão de Investigações sobre Crimes contra a Administração e Fraudes Decorrentes das Atividades de Trânsito, Combate à Corrupção e Lavagem ou Ocultação de Bens, Direitos e Valores, bem como à Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social informando quanto à instauração do IP-e”, escreveu o delegado.

Na denúncia à Comissão de Ética, posteriormente entregue à Polícia Civil, a ex-funcionária afirma que Bruno Semino foi contratado como diretor-executivo da Cruz Vermelha São Paulo, com remuneração mensal de 65.000 reais. Em outros estados, função semelhante é exercida por secretário-geral contratado por meio de CLT, com salário médio de 12.000 reais.

Procurada, a assessoria de imprensa da Cruz Vermelha São Paulo informou que “não é verdade a informação de que Bruno Semino ficaria com 5% de todas as doações recebidas pela entidade. A Cruz Vermelha São Paulo conta com fontes de custeio próprias — todos os seus custos operacionais são pagos por essas fontes. As doações seguem diretamente e exclusivamente para os beneficiários”.

Sobre o contrato de Bruno Semino, a assessoria alega que “cada entidade, de acordo com o previsto em seus estatutos e com seus orçamentos, tem a autonomia de decidir a forma de contratação, quais profissionais serão contratados, da maneira prevista em seus estatutos”.

O grupo que controla a filial paulista da Cruz Vermelha tem travado uma guerra com Júlio Cals de Alencar na presidência nacional da instituição. Os dirigentes paulistas foram à Justiça para afastá-lo do cargo sob a alegação de que não teria realizado uma reunião obrigatória em 2022. A defesa de Cals sustenta, no entanto, que o adiamento ocorreu por decisão da maioria dos integrantes da Cruz Vermelha, inclusive dos paulistas.

Continua após a publicidade

SHOPPING CENTER E DÍVIDA MILIONÁRIA

O inquérito da Polícia Civil também tem como alvo o presidente da Cruz Vermelha São Paulo, Jorge Wolney Atalla Júnior – investigado por efetuar retiradas irregulares de dinheiro e ter despesas pessoais pagas por doadores da entidade. Além disso, sua gestão teria resultado em prejuízos significativos para a instituição – que hoje enfrenta uma dívida que pode superar 28 milhões reais. Ele está no cargo desde 2009, quando sucedeu o pai, que havia ocupado o posto por 42 anos.

Na gestão de Jorge Wolney Atalla Júnior, a Cruz Vermelha São Paulo foi alvo de uma ação civil pública contra a construção – em um terreno doado à entidade, próximo ao aeroporto de Congonhas – de um shopping center pelo grupo Iguatemi. O negócio, porém, foi barrado pela Justiça.

Questionada sobre as retiradas irregulares de dinheiro dos caixas em benefício de Jorge Wolney Atalla Júnior, a assessoria de imprensa da Cruz Vermelha São Paulo respondeu: “A informação é inverídica e não sustenta. As contas da Cruz Vermelha São Paulo são auditadas por auditoria externa (BDO) para exatamente confirmar as boas práticas determinadas no Estatuto da Instituição”.

Sobre a existência de prints com conversas de Jorge Wolney Atalla Júnior solicitando o pagamento de despesas pessoais, a assessoria informou: “A informação é inverídica e não sustenta. Conforme dito, os Conselheiros nem presidentes, vice-presidentes são remunerados, não havendo qualquer repasse de dinheiro para os mesmos”.

Com relação à ação civil pública contra a construção do shopping center, a assessoria disse que “nunca existiu qualquer negociação para doação de terrenos a quaisquer pessoas, grupos ou empresas. O CRI e a matrícula afeta ao terreno em questão podem ser consultados para constatar que a Cruz Vermelha São Paulo não pode doar ou vender este terreno, sempre permanecendo de sua propriedade”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.