Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Os conselhos de Aécio Neves que Eduardo Leite está seguindo

Ou... "Eduardo Neves" e "Aécio Leite". Qual dos dois você escolhe?

Por Matheus Leitão Atualizado em 3 Maio 2022, 10h17 - Publicado em 22 abr 2022, 10h57

O ex-governador do Rio Grande do Sul Eduardo Leite continua em sua obsessão política de destituir o candidato escolhido pelas democráticas prévias do PSDB, e se impor como o nome do partido à presidência.

Como já dito pela coluna, Leite tem uma longa lista de desmandos antidemocráticos para chamar de sua, mesmo sendo o político mais jovem que tenta entrar na corrida eleitoral de 2022. Ao menos para presidente.

A cartilha adotada é a seguida por Aécio Neves, seu maior conselheiro, ao perder para Dilma Rousseff em 2014. À época, o político mineiro mandou o PSDB fazer um pedido de auditoria nas urnas eletrônicas e passou a repetir que perdeu as eleições presidenciais para “uma organização criminosa”.

O estrago foi tamanho que, em determinado momento, ele profetizou que Dilma Rousseff não concluiria seu mandato. Isso, após ser reeleito presidente do PSDB, em 2015. Como se sabe, em agosto de 2016 veio o impedimento.

Um dos artífices do impeachment foi justamente Aécio Neves – que trabalhou incessantemente para o governo Michel Temer. À época, Aécio acreditava que seria o candidato natural em 2018, mas em política nada – rigorosamente nada – é certo.

Continua após a publicidade

Hoje… ex-governador de Minas, ex-senador, ex-presidente da Câmara, ex-presidenciável com 51,041 milhões de votos, Aécio é um deputado que vive no ostracismo político.

Eduardo Leite pode achar a “queda” de Aécio não ter nada a ver com os fatos acima, já que outros fatores o levaram a posição que está hoje, mas assim como nada na política é certo, pode-se ter certeza que existe algum tipo de lei do retorno quando se diz respeito a luta política em Brasília.

A própria Dilma Rousseff é prova disso. Permitiu sua campanha atacar Marina Silva dizendo que ela sofreria impeachment se eleita, quando a ambientalista crescia de forma impressionante nas pesquisas. O resto da história conhecemos.

Escondendo foto com Aécio ou não, Eduardo Leite mais parece Eduardo Neves. Neste momento, deveria pensar se quer continuar seguindo por este caminho, por onde passou o aliado mineiro.

O ex-governador fala tanto em transição geracional para justificar a retirada de João Doria do pleito, mas se comporta o tempo todo como um político ultrapassado, que bateu na trave mas não conseguiu atingir o sonho que tanto almejava.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)