Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

Indígenas são apenas 0,4% dos trabalhadores do serviço público brasileiro

No dia dos povos originários, a coluna pública dados exclusivos sobre a participação deles no funcionamento da máquina pública

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 12h12 - Publicado em 19 abr 2024, 10h26

Dos 570,8 mil servidores civis federais, apenas 0,4% (2.335) se declaram como indígenas de acordo com dados de um levantamento feito pela República.Org, com base em informações do Painel Estatístico de Pessoal do MGI (Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos), de fevereiro de 2024. Os indígenas correspondem a 0,83% da população brasileira, de acordo com o último censo demográfico de 2022.

O mesmo levantamento da República.Org mostra ainda onde esses profissionais públicos estão trabalhando – os dez órgãos públicos que concentram o maior número de indígenas. A maior parte (28%) está alocada na Fundação Nacional dos Povos Indígenas, a Funai, sendo que 82,6% deles são homens.

O segundo órgão que mais concentra pessoas indígenas é o Ministério da Saúde, com 10% de todos os profissionais indígenas da administração pública federal, seguido pelo Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), que conta com 8% deles em seu quadro. Juntos, os 10 órgãos somam 60% dos indígenas da administração pública federal.

“É importante que o país tenha cada vez mais indígenas no serviço público. Isso reforça a ideia de burocracia representativa. Termos um  quadro de servidores públicos mais diverso aumenta as chances de uma boa prestação de serviços para a pluralidade da população e faz com que os cidadãos se identifiquem com quem atua na máquina pública”, afirma Vanessa Campagnac, gerente de dados e comunicação da República.Org, um instituto dedicado a melhorar a gestão de pessoas na administração pública.

Campagnac também argumenta que o número de indígenas na administração pública federal deve aumentar ainda este ano por conta da realização do Concurso Nacional Unificado, organizado pelo MGI.

Continua após a publicidade

“O concurso unificado é uma ótima notícia, pois pessoas que moram longe dos grandes centros, como é o caso de muitos indígenas, não vão precisar viajar tanto para prestar o concurso. Na prática, isso pode significar um aumento do número de indígenas no serviço público, assim como pode ampliar as oportunidades para quem não vive nas regiões mais centrais do país”, afirma.

Os dez primeiros órgãos públicos 

Nome do órgão Sigla do órgão Quantidade de Vínculos (Anual) Proporção em relação ao total de indígenas do GF
Fundação Nacional dos Povos Indígenas FUNAI 653 27,97%
Ministério da Saúde MS 233 9,98%
Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBAMA 191 8,18%
GOVERNO DO EX-TERRITÓRIO DE RORAIMA* EX-TER/RR 91 3,90%
Ministério dos Povos Indígenas MPI 47 2,01%
Instituto Federal do Amazonas IFAM 46 1,97%
Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ 36 1,54%
Departamento de Polícia Federal DPF 29 1,24%
Instituto Nacional do Seguro Social INSS 29 1,24%
10° Ministério da Fazenda MF 29 1,24%

* Ex-territórios são regiões que antes da Constituição de 1988 pertenciam à União e que se transformaram em outros entes federativos com a CF. Foram os casos dos territórios de Roraima, Rondônia e Amapá, que se tornaram estados, e de Fernando de Noronha, que se tornou distrito de Pernambuco. Os antigos servidores destes territórios foram incorporados ao quadro de servidores da União.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.