Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

Governo já editou 23 normas para ampliar acesso a armas e munição

Bolsonaro “escancara” possibilidade de compra de armamentos com resoluções que, em geral, evitam o Congresso e aumentam a insegurança, diz especialista

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 20 ago 2020, 09h57 - Publicado em 20 ago 2020, 09h05

Na fatídica reunião ministerial de 22 de abril, o presidente Jair Bolsonaro disse que queria “escancarar a questão do armamento no Brasil”. E acrescentou: “eu quero o povo armado”. Isso revela a atenção do chefe do Executivo, inclusive em meio à pandemia, quando a saúde deveria estar no foco. Outra prova desse fascínio bélico é a criação de 10 decretos, 12 portarias e um projeto de lei que modificam a política de controle armamentista e aumentam o acesso dos cidadãos a armas e munições no país sem, no entanto, ampliar a rastreabilidade – o que poderia evitar ilegalidades.

Os dados são do Instituto Igarapé, entidade ligada a temas de segurança, clima e desenvolvimento, e indicam que a gestão Bolsonaro, ao ser o protagonista dessas normas, tenta evitar o Congresso a todo custo para agilizar a imposição de suas convicções. Esse descontrole na criação de normas para facilitar a compra de armas e munições pode aumentar, inclusive, a ilicitude no uso desses equipamentos, na avaliação da assessora especial do Instituto Igarapé, Michele dos Ramos.

“Aumentar o acesso às armas e munições sem qualquer preocupação em fortalecer essas capacidades de controle e fiscalização aumenta ainda mais a possibilidade de que armas, munições e explosivos caiam na ilegalidade”, afirma. Para a assessora, é fundamental ter responsabilidade na condução das políticas armamentistas, já que o aumento da violência está ligado à ampliação do acesso a esses instrumentos.

ASSINE VEJA

A encruzilhada econômica de Bolsonaro Na edição da semana: os riscos da estratégia de gastar muito para impulsionar a economia. E mais: pesquisa exclusiva revela que o brasileiro é, sim, racista ()
Clique e Assine

“A responsabilidade na condução das políticas de controle e fiscalização de armas, munições e explosivos é fundamental exatamente quando consideramos os impactos diretos que eles possuem nas dinâmicas da violência interpessoal, da violência doméstica, de diferentes formas de criminalidade, incluindo a questão gravíssima do controle territorial exercido por organizações criminosas em diferentes regiões do país”, destaca a assessora.

Continua após a publicidade

Além disso, Michele dos Ramos ressalta o fato de que a maior parte da população discorda das afirmações do presidente sobre “armar” as pessoas. Pesquisa do Datafolha divulgada em maio deste ano mostra que 72% dos entrevistados discordaram da frase dita por Bolsonaro durante a reunião ministerial de 22 de abril, na qual o presidente ainda disse: “eu quero todo mundo armado! Que povo armado jamais será escravizado”.

“Além do impacto desastroso na segurança pública, é importante destacar que a defesa do armamento da população ignora a vontade da maioria da população: 72% dos brasileiros e brasileiras discordam da afirmação do presidente de que é preciso armar o cidadão. Em uma democracia, não é com fuzil na mão que reduziremos as nossas tantas desigualdades”, aponta Michele dos Ramos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.