Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

Da Bailarina da Morte ao Regente da Morte, ou da espanhola a Bolsonaro

Enquanto o país caminha para o colapso, presidente mantém a visão negacionista da vida. Que a História registre as ofensas que estamos vivendo

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 5 mar 2021, 16h03 - Publicado em 5 mar 2021, 12h41

O presidente Jair Bolsonaro soltou mais uma de suas frases antológicas, daquelas que ficarão para história pelo lado ruim, obviamente, quando os historiadores forem estudar o Brasil pandêmico daqui a alguns anos.

“Vocês não ficaram em casa. Não se acovardaram. Temos que enfrentar os nossos problemas. Chega de frescura, de mimimi. Vão ficar chorando até quando?”, afirmou o presidente durante a inauguração de um trecho ferroviário em São Simão, no Goiás.

O sentido de antológico tem a ver com algo que é “digno de ser lembrado”. Não há nada de digno no comportamento de Bolsonaro na maior pandemia dos últimos 100 anos. Ao contrário. É indigno e cruel um presidente atentar contra o povo que ele representa.

Mas é preciso que fique na História a morbidez do “gripezinha”, do “E daí? Não sou coveiro”, ou do “eu sou Messias, mas não faço milagre”. O país precisa lembrar para aprender. Refletir. Pensar sobre os últimos anos.

Continua após a publicidade

É o que defenderão historiadores, como Lilia Schwarcz e Heloísa Starling, que escreveram o “A bailarina da morte – A gripe espanhola no Brasil”, sobre a pandemia que atingiu o país em 1918 e 1919.

Naquele tempo, também houve a tentativa de maquiar e esconder a tragédia, com a vilania de algumas lideranças. A segunda onda também foi assustadoramente mais letal que a primeira, dizimando parte de uma geração.

Mas, nada como agora. Em mortes ou em irresponsabilidade. São várias frases macabras do presidente. Os corpos foram se empilhando enquanto o presidente ia caçoando – isso é um fato inegável. Agora o “chega de frescura, chega de mimimi” acontece quando o país vive a semana com o recorde de mortos.

Continua após a publicidade

Bolsonaro nem fica com o rosto corado ao dizer essas barbaridades. Temos que ser sinceros. Ele foi coerente com a sua linha de pensamento do início ao meio desta pandemia – porque ela parece que não terá fim no Brasil.

É contra máscara e a favor da abertura do comércio. É contra a vacina e a favor da cloroquina. É contra o isolamento e a favor da aglomeração. Enquanto o país caminha para o colapso sanitário e econômico, Bolsonaro mantém uma visão negacionista do vírus, da ciência, da vacina e da vida em si. E nenhuma instituição aprendeu, até agora, como pará-lo.

Que fique então um pedido aos historiadores. Se a “bailarina da morte” foi o símbolo encontrado para definir a gripe espanhola, há hoje no país o “regente da morte – um presidente que aumentou a tragédia da Covid-19”. Que a História registre as ofensas que estamos vivendo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.