Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Marcela Rahal

Por Marcela Rahal Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Jornalista, repórter e apresentadora. Blog de informação e análise do cenário político nacional
Continua após publicidade

Um ano depois, PL dos motoristas de app ainda não tem consenso

Relator da proposta, deputado Augusto Coutinho (Republicanos-PE), no entanto, diz que vai entregar o texto até o dia 20 de maio

Por Marcela Rahal Atualizado em 9 Maio 2024, 15h17 - Publicado em 1 Maio 2024, 13h22

Promessa de campanha do presidente Lula em 2022, a proposta de regulamentação dos motoristas de aplicativos, que começou a ser discutida há um ano, ainda tem pontos de discordância entre os profissionais e as empresas, como Uber e 99, que tem impedido o Projeto de Lei do governo de prosperar.

A principal delas, segundo o deputado Augusto Coutinho (Republicanos-PE), é o percentual pago pelas empresas aos motoristas, que chega a 50%, em alguns casos. Coutinho disse à coluna que os critérios definidos pelas empresas não são claros e que precisam ser definidos para que os profissionais saibam quanto vão ganhar com cada corrida.

O relator deve se encontrar na próxima semana com o ministro do Trabalho, Luiz Marinho, para apresentar o texto final da proposta, antes da entrega na Câmara, prevista para o dia 20 de maio. Na terça-feira, 7, haverá uma reunião na Comissão do Trabalho da Casa com as empresas e representantes dos motoristas para que se tente chegar a um acordo.

Até agora, o projeto prevê contribuição ao INSS, auxílio-maternidade e pagamento mínimo por hora de trabalho no valor de R$ 32,10. A jornada não poderá passar de 12 horas por dia e os profissionais precisam trabalhar 8 horas diárias para ter acesso ao piso da categoria. A contribuição será de 7,5% do trabalhador e 20% das empresas.

Continua após a publicidade

Sobre a sindicalização, a questão ainda está em discussão. Os trabalhadores têm resistência a essa possibilidade, e isso pode ser mudado, segundo o relator.

O fato é que são questões cruciais que já deveriam ter sido acertadas. Por falta de consenso, o governo até decidiu retirar a urgência na tramitação da proposta. A falta de clareza na divulgação do projeto também fez com que a desinformação criasse rejeição da própria categoria à medida.

Questionado sobre a chance de aprovação do PL, o relator disse à coluna: “Estou com esperança”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.