Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Tarcísio estuda colocar alunos com autismo em ‘escolas de referência’

Plano para concentrar os estudantes em unidades específicas virou objeto de críticas de professores e de especialistas em educação

Por Adriana Ferraz Atualizado em 19 dez 2023, 13h37 - Publicado em 19 dez 2023, 13h00

O governo Tarcísio de Freitas (Republicanos) planeja estruturar 1 000 escolas da rede estadual de ensino – 20% do total – para receber alunos com autismo e outros tipos de deficiência. O plano foi apresentado aos docentes na semana passada como forma de oferecer “atendimento de excelência, escalável e economicamente viável”, mas virou alvo de críticas, incluindo algumas que falam em risco de segregação.

Chamadas provisoriamente de “escolas polo”, a promessa é que as unidades a serem selecionadas pela Secretaria de Educação do Estado para virarem referência em educação especial sejam equipadas com profissionais especializados, instalações acessíveis e salas de recurso. Há previsão também de integração com serviços prestados por universidades e pela Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais). Segundo apurou a reportagem de VEJA, a pasta já definiu cerca de 300 colégios como referência.

As maiores críticas ao plano partem da ala de pais e de educadores que defendem o princípio da inclusão para alunos com deficiência. Dentro dessa ótica, tanto os estudantes com autismo quanto os colegas ganham com a troca de experiências e com a convivência no dia a dia. “Faz mais de 30 anos que o Brasil aderiu à perspectiva da educação inclusiva, tempo suficiente para que todas as escolas tivessem os recursos estruturais e pedagógicos necessários. Restringir isso a apenas parte das unidades vai desobrigar as demais a pensar sobre essas questões”, defende a professora Marian Ávila de Lima Dias, chefe do departamento de educação da Unifesp e pesquisadora em educação básica. “Outra consequência é que a impressão dos professores regulares de que a educação inclusiva é um assunto só de especialistas vai aumentar, assim como a impressão errônea dos familiares de que sua criança será mais bem atendida de forma segregada. Esse é o grande risco”, completa a especialista.

Parte dos professores da rede também relata preocupação. O temor deles é que o governo Tarcísio siga a política da gestão Jair Bolsonaro, que defendia a criação de escolas ou de salas especiais para crianças com deficiência. Na época, o Supremo Tribunal Federal chegou a brecar iniciativas do tipo, sendo criticado pelo então ministro Milton Ribeiro (Educação), que se dizia “contra o inclusivismo”. 

Continua após a publicidade

À frente da iniciativa do governo paulista, Renato Feder, Secretário da Educação, já esteve no centro de algumas polêmicas ao longo de 2023. No início do ano letivo, por exemplo, a pasta comandada por ele passou a obrigar docentes a apresentarem o conteúdo das aulas em slides, anunciando o fim do uso de livros impressos fornecidos pelo Ministério da Educação. A repercussão negativa, no entanto, fez Feder recuar.

Em nota enviada à redação de VEJA para comentar as críticas que o projeto das “escolas polo” vêm recebendo, a Secretaria da Educação do Estado afirmou que o modelo em estudo é baseado inteiramente na Lei Brasileira de Inclusão. “Por respeitar a inclusão, caso o projeto avance, as escolas polo estarão disponíveis para todos os alunos, não apenas os com deficiência”, informou. A pasta ainda assegurou que as demais unidades da rede seguirão promovendo a educação inclusiva com a oferta de recursos específicos ao público-alvo, tais como: sala de recurso, atendimento educacional especializado, profissional de apoio escolar, transporte escolar e intérprete de libras.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.