Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Sob Lula, TV Brasil estreia mais uma novela bíblica — mas não é da Record

Após abandonar produções da emissora de Edir Macedo, estatal comprou os direitos de exibição de uma produção mexicana

Por Da Redação
20 nov 2023, 13h21

A TV Brasil, emissora ligada à estatal Empresa Brasil de Comunicação (EBC), começa a exibir a partir desta segunda-feira, 20, a novela mexicana Maria Madalena, um drama bíblico inspirado na história de uma das discípulas de Jesus Cristo. 

A EBC pagou 629 mil reais pelos direitos de exibição da atração. A trama é uma produção da Sony Pictures e da produtora Dopamine e foi exibida no México pela TV Azteca em 2018 e 2019. Será transmitida pela primeira vez na TV aberta brasileira, em sessenta capítulos, de segunda a sexta-feira. A atração vai substituir a novela Os Imigrantes, uma telenovela de 1981 produzida pela Band.

“É uma novela com alto valor de produção, grande elenco e que tem como protagonista uma mulher que desafiou as regras do seu tempo. É essa trajetória de empoderamento feminino que nós quisemos trazer para a tela da TV Brasil”, afirma a diretora de Conteúdo e Programação da EBC, Antonia Pellegrino.

Novelas bíblicas não são exatamente uma novidade na grade da TV Brasil, mas há uma mudança importante em curso no governo Lula. Durante a gestão de Jair Bolsonaro, a emissora estatal pagou cerca de 7 milhões de reais por novelas bíblicas da TV Record, empresa do grupo de mídia controlado pelo bispo Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus e uma das principais denominações evangélicas do país — os evangélicos formaram um dos segmentos que mais apoiaram Bolsonaro. Na gestão anterior, a Record chegou a receber mais verba publicitária do governo do que a Globo, que voltou a liderar o ranking no atual governo petista — leia matéria aqui.

Com o início da nova gestão, o então presidente da EBC, Hélio Doyle, anunciou que a empresa deixaria de comprar esse tipo de produção. “Elas eram muito caras e com temas muito politizados. Essas novelas foram compradas porque eram da Record e porque tinham temas bíblicos, que atendiam um público predominantemente bolsonarista”, declarou a VEJA em agosto. Doyle foi exonerado em outubro, após fazer críticas a Israel nas redes sociais.

Continua após a publicidade

 

 

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.