Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

PSL gastou R$ 21 mil com dois seguranças de Jair Bolsonaro

Declarado ao TSE na prestação de contas do presidenciável, valor foi destinado a ex-agente do Bope e capitão do Exército. Candidato foi esfaqueado em MG

Por João Pedroso de Campos Atualizado em 7 set 2018, 15h31 - Publicado em 7 set 2018, 15h25

Além dos policiais federais que escoltam Jair Bolsonaro em suas agendas de campanha, à disposição do candidato e de alguns de seus adversários graças a uma resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o PSL, partido do presidenciável, também investiu na proteção do deputado. O partido pagou até agora 21.000 reais por serviços de dois seguranças de Bolsonaro.

Conforme o sistema de prestação de contas de campanhas do TSE, a legenda desembolsou 5.000 reais a Max Guilherme Machado de Moura, que integrou o Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar do Rio de Janeiro (Bope), e 16.000 reais a Sérgio Rocha Cordeiro, que é capitão do Exército e assessor parlamentar de Bolsonaro.

O montante faz parte dos 165.095,23 reais injetados pela sigla na campanha de Bolsonaro. O dinheiro tem como fonte “outros recursos”, e não o fundo especial para financiamento de campanhas, que o candidato diz rejeitar. No total, Jair Bolsonaro recebeu até agora 183.795,23 reais em doações.

A campanha do presidenciável do PSL é a única a declarar gastos com segurança particular ao TSE até o momento. Outros candidatos declararam gastos com “serviços prestados por terceiros”, sem especificação sobre se são de agentes seguranças ou não. Também pediram escolta da PF Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT) e Alvaro Dias (Podemos)

Reprodução/TSE

Nesta quinta-feira, 6, mesmo acompanhado dos agentes da PF que o escoltam, Jair Bolsonaro foi esfaqueado por um homem durante um ato de campanha em Juiz de Fora (MG). O presidenciável foi atendido na Santa Casa de Misericórdia da cidade mineira e, na manhã desta sexta-feira, 7, transferido ao Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Segundo os médicos, seu estado de saúde é “grave, mas estável”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)