Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho e Isabella Alonso Panho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Pressionado pelo caso das joias, Bolsonaro só quer falar do governo Lula

Nas redes sociais, ex-presidente mal comenta o indiciamento pela PF, mas não para de bater no trabalho do seu sucessor

Por Da Redação Atualizado em 10 jul 2024, 14h41 - Publicado em 10 jul 2024, 13h57

Indiciado pela Polícia Federal por três crimes no caso do suposto desvio de joias e outros presentes recebidos em viagens oficiais, o ex-presidente Jair Bolsonaro mal tem comentado o assunto em suas redes sociais – quando o faz, é para criticar ou reproduzir críticas à PF. Por outro lado, tem subido cada vez mais o tom contra o governo Lula.

Nesta quarta-feira, 10, por exemplo, Bolsonaro listou mais de uma dezena do que aponta como retrocessos no atual governo, como cortes de verbas na educação e saúde, alta nos preços da carne, da gasolina e da conta de luz, aumento de impostos que seriam decorrentes da reforma tributária, crescimento das queimadas na Amazônia, invasões de terra pelo MST e mortes por dengue são alguns dos temas que o ex-presidente listou. A longa lista foi aberta com um quase desabafo: “Precisamos falar de Bolsonaro”.

Desde que o indiciamento no caso das joias foi divulgado, Bolsonaro limitou-se apenas a criticar o trabalho da PF. Em um dos posts, por exemplo, questionou o erro no relatório policial, que atribuiu inicialmente um valor para os presentes em 25 milhões de reais, depois corrigiu para 6,8 milhões de reais. “Aguardemos muitas outras correções. A última será aquela dizendo que todas as joias “desviadas” estão na CEF, Acervo ou PF, inclusive as armas de fogo”, disse.

Adélio Bispo

Continua após a publicidade

Ele também criticou diretamente a PF ao ironizar o fato de terem citado apostas que ele teria feito em loterias da Caixa e também a conclusão da investigação sobre a facada que recebeu de Adélio Bispo na campanha eleitoral de 2018 – nesse caso, também repostou outros comentários a respeito do desfecho da investigação, que concluiu que o agressor agiu sozinho.

O que Bolsonaro não rebateu até agora foram as acusações envolvendo as operações de venda dos bens valiosos recebidos em viagens oficiais e a transferência do dinheiro resultante disso para o seu patrimônio pessoal, como consta do relatório da PF.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.