Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Por que a terceira via não decola na eleição atual, segundo especialistas

Para cientistas políticos, conjuntura da disputa e a falta de homogeneidade do centro dificulta a missão de construir uma alternativa a Lula e Bolsonaro

Por Diogo Magri
21 Maio 2022, 09h47

As crises explicitadas durante a última semana entre os partidos que fazem parte do grupo conhecido como terceira via — PSDB, MDB e Cidadania –, que querem rifar o ex-governador paulista João Doria (PSDB) e bancar Simone Tebet (MDB) como presidenciável, foi apenas o último episódio da frente do centro político brasileiro, que, apesar de reunir muitos candidatos, não consegue aglutinar eleitores o suficiente para desfazer a polarização entre Jair Bolsonaro (PL) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

A terceira via chegou a ter uma dezena de nomes entre a centro-esquerda e a centro-direita desde o segundo semestre do ano passado, inclusive de partidos que não compõem mais o grupo — como União Brasil e PSD –, mas a maioria dos postulantes foi desistindo ao longo do caminho. O ex-juiz Sergio Moro (União Brasil), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD) e o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta (UB) são exemplos de políticos centristas que consideraram uma candidatura presidencial recentemente, mas recuaram.

Além disso, os que restaram, como Doria e Tebet, não passam dos 5% nas pesquisas presidenciais. Ciro Gomes (PDT), a alternativa mais promissora do centro, também está longe do segundo turno no momento.

Na visão de especialistas, a dificuldade para emplacar nas pesquisas um nome da terceira via é explicada pela conjuntura atual da disputa presidencial deste ano. “A eleição presidencial é quase sempre sinônimo de plebiscito sobre uma administração, com apoiadores e críticos se opondo em duas candidaturas. Neste ano, a competição entre dois presidentes muito conhecidos acirra essa polarização e dificulta a missão da terceira via”, resume o cientista político Rafael Cortez, da Tendências Consultoria.

Soma-se ainda, na visão dos especialistas, a fragmentação das candidaturas alternativas, que não constroem um perfil homogêneo suficiente para aglutinar o eleitorado “nem Lula nem Bolsonaro”, e a postura dos dois líderes das pesquisas. “Tanto o perfil de Lula quanto o de Bolsonaro, enquanto candidatos, são de incentivar a polarização e o confronto contra o outro lado, e isso dá a impressão ao eleitor que só existem dois caminhos possíveis”, avalia Leandro Consentino, analista político e professor do Insper.  “Do outro lado, a terceira via é muito plural, o que prejudica a existência de alguém que monopolize o eleitor que não gosta dos dois líderes”, completa Cortez.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.