Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

O pedido de Ronaldinho Gaúcho ao STF para não ir à CPI das Criptomoedas

Ex-jogador foi convocado a prestar depoimento sobre empresa suspeita de fraudes em investimentos com criptomoedas

Por João Pedroso de Campos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 21 ago 2023, 12h41 - Publicado em 21 ago 2023, 12h02

Convocado a prestar depoimento à CPI das Criptomoedas, na Câmara, o ex-jogador Ronaldinho Gaúcho acionou o Supremo Tribunal Federal com um pedido para não ser obrigado a comparecer à comissão. O irmão e empresário de Ronaldinho, Roberto Assis Moreira, o Assis, também convocado, fez a mesma solicitação ao STF. Os depoimentos deles estão marcados para esta terça-feira, 22.

O ex-jogador e seu empresário foram chamados a falar à CPI sobre a empresa 18K Ronaldinho Gaúcho, suspeita de fraudes em investimentos com criptomoedas. A defesa de Ronaldinho afirma ao STF que ele não é sócio no negócio, teve a imagem usada indevidamente e também foi prejudicado pela 18K. O autor do requerimento de convocação, deputado Ricardo Silva (PSD-SP), apontou que o ex-craque se tornou réu em uma ação que pede 300 milhões de reais de reparação por prejuízos a investidores.

Os advogados de Ronaldinho Gaúcho lembram que o ministro André Mendonça derrubou na semana passada as convocações dos atores Cauã Reymond e Tatá Werneck à CPI das Criptomoedas e afirmam que a comissão busca “tão somente os holofotes a partir da oitiva de pessoas conhecidas nacional e internacionalmente”.

O habeas corpus do ex-jogador diz que ele já prestou esclarecimentos sobre a empresa em investigações em São Paulo e no Rio de Janeiro. Sustenta também que a convocação imputa a Ronaldinho “condição de envolvido em fraudes” e, deste modo, ele poderia ficar em silêncio em razão do direito à não autoincriminação. O pedido para que a convocação seja transformada em comparecimento facultativo ainda não foi distribuído a um dos ministros do STF.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.