Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho e Isabella Alonso Panho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

O ‘apagão’ na política de direitos humanos na gestão de Damares

Ministério não tem mais comitê para avaliar o cumprimento do plano nacional, que passa por uma revisão com participação limitada da sociedade civil

Por Tulio Kruse 8 nov 2021, 14h16

Na gestão de Damares Alves, o acompanhamento da política nacional de direitos humanos sofre um verdadeiro “apagão”. O governo federal está há dois anos sem avaliar o cumprimento do que está previsto no Plano Nacional de Direitos Humanos simplesmente porque não existe mais um órgão que faça isso.

O alerta é do presidente do Conselho Nacional de Direitos Humanos, o defensor público Yuri Costa. Segundo ele, tudo começou quando, em dezembro de 2019, o chamado “revogaço” do presidente Jair Bolsonaro extinguiu o Comitê de Acompanhamento e Monitoramento do PNDH, que era responsável por avaliar se o governo cumpria os compromissos firmados no documento, que vão do combate à violência contra mulheres à garantia de liberdade religiosa. O comitê também tinha estratégias de ação para alcançar os objetivos propostos no plano nacional.

Segundo Costa, a gestão de Damares ficou sem instrumentos para avaliar o cumprimento do plano — que segundo ele deveria ser um programa de Estado e não de governo — e das violações de direitos humanos em geral.

No site oficial do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos há, por exemplo, estatísticas publicadas pela Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos sobre denúncias de violência. Mas o painel, no ar há ao menos oito meses, não informa quais encaminhamentos são realizados para cada denúncia e se os casos são resolvidos.

Revisão polêmica

Além disso, o ministério provocou polêmica ao iniciar em fevereiro deste ano a revisão do atual PNDH-3 sem a participação de representantes da sociedade civil, com o trabalho sendo feito apenas por uma comissão formada por gente do ministério e de secretarias estaduais. A medida provocou reação por meio de uma carta assinada por cerca de 200 entidades questionando a medida.

Continua após a publicidade

Em razão da polêmica, a ministra editou uma portaria no último dia 29 de outubro, autorizando a participação de representantes da sociedade civil, mas apenas como convidados, sem direito a voto e sem poder divulgar o que está sendo discutido nas reuniões. Com isso, o trabalho do grupo, que terminaria no dia 1º de novembro — ou seja, estava quase pronto –, foi prorrogado para junho de 2022.

Terceira versão do plano, publicado no fim do segundo mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o PNDH-3 resultou em intensas disputas ideológicas entre a esquerda e grupos conservadores. Nesse documento, por exemplo, estava a proposta de criar a Comissão Nacional da Verdade, para investigar os anos da ditadura militar, que causou desentendimentos e irritações entre as Forças Armadas e o governo de Dilma Rousseff. Em suas primeiras versões, o PNDH-3 também continha trechos que propunham descriminalizar o aborto e proibir a exibição de imagens religiosas em locais públicos, o que gerou reação entre religiosos.

“O governo que hoje propõe, em gabinete e em sigilo, fazer uma avaliação é o mesmo governo que extinguiu o grupo que tinha como atribuição fazer exatamente isso”, disse Costa.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.