Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho e Isabella Alonso Panho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Na contramão do Congresso, São Paulo proíbe corridas de cavalos

Projeto aprovado pelos vereadores segue para sanção do prefeito Ricardo Nunes; Senado discute regulamentação

Por Laísa Dall'Agnol Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 27 jun 2024, 12h04

O Plenário da Câmara Municipal de São Paulo aprovou nesta quarta-feira, 26, a proibição de corridas de cavalo na capital paulista.

De autoria do vereador Xexéu Tripoli (União Brasil), o projeto de lei segue agora para a sanção do prefeito Ricardo Nunes (MDB).

Segundo a proposta, fica proibida a utilização de animais em atividades esportivas, como é o caso das corridas com apostas. Atualmente, corridas de cavalos desse tipo são realizadas em São Paulo pelo Jockey Club, na Zona Oeste. No site da entidade, é possível escolher, em poucos cliques, a modalidade e o animal na qual o apostador deseja lançar a sorte.

No Colégio de Líderes realizado na última semana, o presidente da Câmara, Milton Leite (União), já havia anunciado que o projeto estava em condições de aprovação. “A cidade de São Paulo não comporta mais esse tipo de sofrimento animal. Precisamos resgatar a área do Jockey Club para outros projetos”, afirmou, numa sinalização que coloca em xeque o futuro do clube.

Continua após a publicidade

Isso porque, além da proibição aprovada agora contra a principal atividade do Jockey, o Plano Diretor da cidade, apresentado por Nunes no ano passado, prevê que a área seja transformada em um parque. O clube tem hoje uma dívida de Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) de mais de 532 milhões de reais com a Prefeitura.

PL dos Jogos de Azar

A autorização para apostas em corridas de cavalos também tem sido debatida no Congresso, mas em direção contrária à de São Paulo.

Na última semana, a Comissão de Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado aprovou, por 14 votos a 12, o projeto de lei que permite o funcionamento de cassinos e bingos, legaliza o jogo do bicho e, ainda, permite as apostas em corridas de cavalos. Conhecido como “PL dos Jogos de Azar”, o PL 2.234/2022 segue agora para votação no Plenário. Segundo o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), o projeto deverá ser analisado na volta do recesso parlamentar.

Continua após a publicidade

O relator no Senado, o senador Irajá (PSD-TO), deu voto favorável à matéria, acolheu emendas e propôs ajustes. Segundo o parlamentar, países que “regulamentaram com responsabilidade” os jogos e apostas tiveram crescimento social e econômico, com aumento do fluxo de turistas. Irajá firmou  ainda que os investimentos a partir da aprovação do projeto podem chegar a 100 bilhões de reais, com a geração de cerca de 1,5 milhão de empregos diretos e indiretos. A arrecadação potencial por ano, segundo ele, seria de 22 bilhões de reais, divididos entre estados, municípios e União.

“Não podemos mais perder essa grande oportunidade que outros países concorrentes já entenderam e enxergaram de gerar emprego, renda e impostos, que serão evidentemente revertidos em benefícios ao povo brasileiro nas áreas mais essenciais, como a saúde, educação, social e infraestrutura”, defendeu.

Com Agência Senado

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.