Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Maceió: MP e Defensoria pedem bloqueio de R$ 1 bilhão da Braskem

Órgãos dizem que companhia estaria descumprindo decisão judicial que determina a inclusão de áreas no mapa de regiões atingidas pelo afundamento do solo

Por Isabella Alonso Panho Atualizado em 14 dez 2023, 15h21 - Publicado em 14 dez 2023, 10h34

A Defensoria Pública da União (DPU) e o Ministério Público pediram à Justiça Federal de Alagoas que bloqueie 1 bilhão de reais das contas da petroquímica Braskem. O argumento é que a companhia estaria descumprindo uma decisão judicial que determina a inclusão de áreas no mapa de regiões atingidas pelo afundamento do solo causado pela exploração de sal-gema.

Além do bloqueio bilionário, que teria o objetivo de dar uma garantia do cumprimento da decisão, as autoridades pediram que a Justiça imponha uma multa diária de 50 mil reais para o presidente da Braskem, caso o descumprimento perdure. O pedido foi feito no final desta quarta-feira, 13, e, até o momento, não foi analisado pela 3ª Vara Federal de Alagoas.

Hoje, a companhia responde a diversas ações judiciais por causa do afundamento do solo em Maceió, mas não tem nenhuma condenação. A empresa costurou cinco acordos com as autoridades, montando um plano de compensação para os morares atingidos. Além disso, bilhões de reais foram pagos aos cofres públicos — como é o caso do acordo que a companhia fez com a prefeitura de Maceió, no valor de 1,7 bilhão de reais, que virou um dos motes do cabo de guerra político em torno da tragédia.

A compensação financeira paga aos moradores é feita a partir de um mapa de regiões afetadas. No entanto, a situação é dinâmica e os resultados do afundamento do solo ainda não foram consolidados. No último domingo, 10, por exemplo, a mina 18 se rompeu, abrindo um buraco sob a Lagoa Mundaú. Por isso, desde que o caso foi parar na mesa das autoridades, há negociações para a ampliação do mapa de áreas atingidas.

Continua após a publicidade

Esse pedido na quarta-feira foi feito dentro de uma ação civil pública apresentada no dia 24 de novembro. DPU, Ministério Público de Alagoas e Ministério Público Federal querem que a Braskem inclua no mapa parte dos bairros do Bom Parto, Farol e Vila Saém e uma parte da Rua Marquês de Abrantes.

Entenda o caso

Dentro desse processo judicial, houve uma liminar (decisão judicial de urgência) obrigando a empresa a ampliar o mapa, mas ela não foi cumprida. A Braskem e as autoridades chegaram a fazer uma audiência de conciliação na terça-feira 12 para discutir a possibilidade de um acordo sobre o caso, sem sucesso. O argumento da companhia é que ela ainda vai recorrer da decisão – por isso, não teria obrigação de cumpri-la imediatamente, como querem MP e DPU.

No pedido de bloqueio apresentado nesta quarta, as autoridades afirmam que “o valor de 1 bilhão representa menos de 1/3 do que foi desembolsado pela Braskem até o presente mês para executar o Programa de Compensação Financeira” e que o cumprimento das decisões judiciais é um pressuposto do Estado Democrático de Direito, “sob pena de inviabilização do ideal de pacificação e organização social”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.