Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Lula não fica roxo de vergonha ao prometer dar um jeito no BNDES

O presidenciável falou de políticas a serem adotadas para o mesmo banco que amargou prejuízos enormes por investimentos realizados nos governos petistas

Por Da Redação
Atualizado em 20 jul 2022, 16h41 - Publicado em 20 jul 2022, 15h31

Em campanha nesta quarta, 20, em Garanhuns, cidade natal de Lula no interior de Pernambuco, o presidenciável petista desfilou uma enorme lista de promessas, que vão de abaixar o preço do petróleo a acabar com a inflação — tudo isso, é claro, sem detalhar como pretende resolver problemas tão complexos com um passe de mágica. Bravatas de palanque à parte, chamou atenção no discurso o momento em que ele afirmou que vai colocar novamente o BNDES nos eixos, a serviço do financiamento das empresas brasileiras. Em entrevistas e aparições públicas anteriores, Lula já vinha falando do banco e do direcionamento que pretende dar a ele num possível futuro governo, privilegiando pequenas e médias companhias.

Mesmo em um país de memória curta e no qual políticos não ficam enrubescidos ao vender terrenos na lua em cima dos palanques, a promessa de Lula sobre BNDES chama atenção. Considerando-se o complicado histórico de seu governo no trato com esse mesmo banco, é surpreendente que o ex-presidente não se vexe de dar receitas de como a gestão poderia se melhorada. Foi justamente a política do governo petista que gerou mais problemas naquele período, sobretudo na insistência do projeto de criar as chamadas “campeãs nacionais”.

Como se sabe, o projeto em questão consistiu em injetar bilhões de reais em empresas como a OI, BRF e a EBX, de Eike Batista. Os negócios não prosperaram e boa parte deles rendeu processos por suspeita de favorecimento. O grupo EBX foi à bancarrota e Eike passou um tempo na prisão. A OI não teve melhor sorte, mesmo com o impulso do BNDES dos anos Lula: entrou em recuperação judicial em 2016, com dívidas de 65,4 bilhões de reais.

Outro ponto polêmico da era petista no BNDES foi o apoio do banco a projetos no exterior. Beneficiadas com cerca de 11 bilhões de reais (2,1 bilhões de dólares) em financiamentos para obras de infraestrutura executadas por empreiteiras brasileiras durante os governos Lula e Dilma Rousseff, Cuba e Venezuela têm aplicado sucessivos calotes nos pagamentos e mantêm ainda expressivas faturas penduradas no balcão do BNDES. As dívidas a vencer das duas ditaduras somam mais de 600 milhões de dólares. Mesmo com todo esse histórico, Lula confia que tem a receita certa para o BNDES em um possível futuro governo. Autocrítica, então, nem pensar.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.